A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

27/09/2016 13:01

Governo impõe nova regra à Caixa, mas financiamentos com FGTS continuam

Trabalhadores e empresas continuam autorizados a usar o recurso para novos investimentos

Anny Malagolini
Casas continuarão sendo financiadas com saldo do FGTS (Foto: Alcides Neto)Casas continuarão sendo financiadas com saldo do FGTS (Foto: Alcides Neto)

Após anunciar que estava vetado o financiamento de novos empreendimentos de imóveis do programa "Minha Casa, Minha Vida" usando recursos do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), o governo federal decidiu esclarecer quais são as mudanças na contratação e afirmou que trabalhadores e empresas continuam autorizados a usar o recurso para novos investimentos.

O veto a financiamento do programa utilizando o FGTS foi publicado na edição de ontem do Diário Oficial da União, mas depois do impacto que a notícia causou devido a confusão causada pelo texto publicado, o Ministério das Cidades emitiu uma nota esclarecendo que as mudanças implicaram apenas a questão burocrática entre Caixa e governo Federal.

Ocorre que, quando o Ministério das Cidades fica sem dinheiro, a Caixa continuava a oferecer empréstimos e, para não faltar recursos, o banco utiliza a verba disponível no FGTS.

O problema disso para o Tribunal de Contas da União, é que o “empréstimo” é na verdade uma operação de crédito, o que ganhou o nome de pedaladas fiscais. Motivo este que motivaram a abertura do processo do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff.

Sendo assim, a instrução normativa é, nada mais que, uma nova regra para evitar as pedaladas fiscais do governo. A partir de agora,quando os recursos previstos pelo Ministério se esgotarem, o governo não poderá realizar um 'empréstimo', e a Caixa será obrigada a suspende essa linha de financiamento.

Mato Grosso do Sul - Para o economista Marcos Cintra, presidente do Secovi (Sindicato da Habitação), na prática a mudança do governo não afetará construtoras e trabalhadores. “Se parar o financiamento, o país para”, opinou. Se a mudança pode trazer riscos, Marcos declarou que a expectativa para 2017 para o setor é melhor, o que pode minimizar as chances de riscos. “Depois do carnaval do ano que vem podem chegar novos empreendimentos, e a confiança está aumentando”.

Já para o diretor do Sindimóveis/MS, Gabriel Serafim, o governo federal tentou ameaçar o mercado imobiliária, mas com o “peso” que a notícia gerou, voltaram atrás. “Se isso acontecesse, prejudicaria os trabalhadores, construtoras e construtores independentes”, avaliou.

Minha Casa, Minha Vida - O programa do governo federal, prevê o benefício a famílias que ganhem até R$ 5.000 mensais - somando os ganhos de todos. Podem se candidatar a uma casa famílias de três faixas de renda: até R$ 1.600; de R$ 1.601 a R$ 3.275; e de R$ 3.276 a R$ 5.000. Quem está nas faixas 2 e 3 pode procurar imóveis disponíveis no mercado no valor de até R$ 190 mil nas regiões atendidas pelo Minha Casa, Minha Vida.

 

Empresas têm até 20 de dezembro para optar pela antecipação do eSocial
Empresas podem optar pela antecipação da implantação do Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (eSoci...
Prazo para regularizar débitos com fisco estadual vence na sexta-feira
Contribuintes que possuem débitos com o fisco estadual têm até sexta-feira (15) para aderirem ao Refis (Programa de Recuperação Fiscal) de Mato Gross...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions