A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

17/01/2013 18:56

Indústria de laticínio prevê crescimento de até 5% em MS

Gabriel Neris
Indústrias de laticínio estimam crescimento de até 5% em 2013 sobre o faturamento líquido de R$ 92,2 milhões (Foto: Divulgação)Indústrias de laticínio estimam crescimento de até 5% em 2013 sobre o faturamento líquido de R$ 92,2 milhões (Foto: Divulgação)

As indústrias de laticínio de Mato Grosso do Sul estimam crescimento de até 5% em 2013 sobre o faturamento líquido de R$ 92,2 milhões do ano passado, o que representaria montante de R$ 96,8 milhões. O levantamento é do Radar Industrial da Fiems.

De acordo com a presidente da Silems (Sindicato das Indústrias de Laticínios do Estado), Milene Nantes, o avanço será possível com a criação de mecanismos de estímulo para fomentar a produção estadual.

“Mais uma iniciativa importante é a qualificação dos produtores rurais, além da adoção de novas tecnologias por parte da indústria. Esses serão fatores de destaque que contribuirão para o crescimento do segmento”, diz acrescentando que o interesse das indústrias é investir na maior qualidade do produto comercializado no Estado.

Ela destaca ainda que em 2012 houve avanço com a assinatura do termo de cooperação institucional para a realização do Projeto de Desenvolvimento da Bacia Leiteira na Região Central de MS: o Leite Forte.

“O projeto revitaliza a pecuária leiteira sul-mato-grossense de forma sustentável, profissionalizada e melhorando a renda dos produtores na região central do Estado. O Leite Forte, com certeza, traz muitos benefícios para as indústrias do Estado, pois por meio deste projeto, poderemos incrementar a produtividade e a qualidade do leite produzido no nosso Estado”, afirmou.

Outro destaque foi à entrega do documento de ações prioritárias da Política Nacional do Leite entregue aos ministros da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Mendes Ribeiro Filho, e do Desenvolvimento Agrário, Pepe Vargas.

O documento foi estruturado durante a 1ª Conferência Nacional do Leite, que reuniu representantes da cadeia produtiva do segmento para discutir as propostas que irão auxiliar na elaboração de uma política para o desenvolvimento do setor.

A presidente do Silems diz que as propostas estão divididas em 11 temas: sanidade, defesa comercial, capacitação e assistência técnica, políticas de crédito, tributação, infraestrutura e logística, promoção comercial, legislação, fiscalização, pesquisa e desenvolvimento e organização do setor.

Entre as propostas está o reforço para a restrição das importações de leite em pó e queijo de países do Mercosul, a partir da renovação de cotas para a entrada destes produtos no Brasil. Na questão tributária, um dos itens abordados foi a cobrança de PIS/Cofins sobre rações e suplementos usados na alimentação do rebanho.

Mato Grosso do Sul é responsável por 1,7% da produção nacional de leite com média de produtividade de 968 litros de leite ao ano, sendo que o Estado possui atualmente 79 estabelecimentos, que empregam 982 trabalhadores. “Levando em conta a predominância da pecuária de gado de corte no Estado, a pecuária leiteira tem ganhado força no cenário industrial e as perspectivas são boas para o próximo ano”, concluiu.

Empresas têm até 20 de dezembro para optar pela antecipação do eSocial
Empresas podem optar pela antecipação da implantação do Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (eSoci...
Prazo para regularizar débitos com fisco estadual vence na sexta-feira
Contribuintes que possuem débitos com o fisco estadual têm até sexta-feira (15) para aderirem ao Refis (Programa de Recuperação Fiscal) de Mato Gross...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions