A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

03/01/2015 10:27

Lista de materiais coletivo é proibida e Procon está atento à denúncias

Viviane Oliveira
Pesquisar é o melhor jeito para conseguir economizar. (Foto: arquivo/Campo Grande news) Pesquisar é o melhor jeito para conseguir economizar. (Foto: arquivo/Campo Grande news)

O tão esperado período de férias escolares das crianças chegou, mas nos primeiros dias 2015 a preocupação com a lista de material escolar já preocupa os pais. Após pagar os tradicionais impostos de fim de ano é a hora de começar a pesquisar preços e comprar os materiais que serão usados neste ano letivo.

Porém, antes de seguir a risca a lista de material pedida pela escola do filhos, é importante lembrar que há pouco mais de um ano foi sancionada a lei que proíbe cobrança de itens coletivos nas listas  mas muitos pais ainda têm dúvida do que pode ser solicitado pelas escolas particulares.

O assessor jurídico do Procon (Superintendência de Proteção e Defesa do Consumidor), Gabriel Abreu, explica que hoje os pais não precisam mais fornecer produtos que não sejam utilizados exclusivamente pelo aluno como quantidades desproporcionais e incompatíveis com a série e a idade da criança. Os pais têm o direito de conhecer a lista de material antes de assinar contrato com a escola.

Gabriel alerta que a escola não pode de forma nenhuma exigir que seja comprado uma determinada marca, papelaria ou na instituição. A cobrança de taxa de material escolar sem a apresentação da lista também é abusiva. “A escola pode sugerir e cabe aos pais decidirem qual é o melhor lugar para ser feito a compra do material escolar conforme a situação financeira de cada um”, destaca.

Produtos como papel sulfite em grandes quantidades, papel higiênico, algodão, álcool, flanela, fita adesiva, CDs, giz para quadro negro, cartolina, estêncil, grampeador e grampos, papel para impressora, esponja para louça, talheres e copos descartáveis não precisam mais ser fornecidos, conforme a lei. O custo de material coletivo deve ser incluído no valor da anuidade escolar.

O órgão recomenda também que os pais devem analisar a lista e comprar com bom senso, reaproveitamento de sobras do ano anterior e pesquisas antes da compra ajudam a economizar. “Se o pai achar que a lista solicitada é abusiva deve entrar em contato imediatamente com a direção do colégio para tentar resolver”, diz.

No entanto, se a cobrança ocorrer os pais podem denunciar pelo telefone 151 do Procon ou no fale conosco do órgão, que pode ser acessado aqui

Empresas têm até 20 de dezembro para optar pela antecipação do eSocial
Empresas podem optar pela antecipação da implantação do Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (eSoci...
Prazo para regularizar débitos com fisco estadual vence na sexta-feira
Contribuintes que possuem débitos com o fisco estadual têm até sexta-feira (15) para aderirem ao Refis (Programa de Recuperação Fiscal) de Mato Gross...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions