A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

16/01/2013 08:36

No bairro vizinho ao lixão, falta de dinheiro afeta comércio

Nícholas Vasconcelos e Mariana Lopes
Comércio sofre com a falta de dinheiro dos catadores do lixão. (Foto: Rodrigo Pazinato)Comércio sofre com a falta de dinheiro dos catadores do lixão. (Foto: Rodrigo Pazinato)

O período em que o lixão de Campo Grande ficou fechado não afetou apenas os catadores de material reciclável. Trouxe também a falta de dinheiro para os comerciantes da região. Na principal avenida do bairro Dom Antônio Barbosa, a Evelina Selingard, a reclamação de que os clientes desapareceram é comum até para quem trabalha vendendo alimentos.

Há oito anos Walmir Escaramuça tem um mercado no bairro e disse que há 20 dias não faz pedido para renovar o estoque porque as vendas despencaram. “O movimento caiu 40% porque a economia aqui é reciclagem, mas pelo visto é uma realidade que até 2014 não vai poder ter”, comentou.

“Na vila o assunto é um só: ninguém tem dinheiro para nada”, disse.

Na panificadora que fica na mesa avenida a proibição do acesso ao lixão fez com que os pedidos de doação também aumentassem. “Começou a aparecer gente pedindo pão até vencido”, disse a ajudante de padaria, Ana Paula Silva dos Santos. “As pessoas sobrevivem com o lixão, o impacto foi grande para todos”, comenta.

“Antes a gente ficava aberto 24 horas e com o movimento, agora nem de dia e nem de noite”, desabafou a Nelci Ramos, dona de uma conveniência. Ela disse que o movimento teve queda de 50% e espera na reabertura do lixão a volta dos fregueses.

Na conveniência, estoque está parado por falta de compradores. (Foto: Rodrigo Pazinato)Na conveniência, estoque está parado por falta de compradores. (Foto: Rodrigo Pazinato)
Revendedora, Eliane espera volta dos catadores. (Foto: Rodrigo Pazinato)Revendedora, Eliane espera volta dos catadores. (Foto: Rodrigo Pazinato)

Nesta terça-feira (15) os catadores foram autorizados a voltar ao lixão para recolher materiais recicláveis, por força de uma liminar na Justiça Estadual.

Segundo os comerciantes, janeiro costuma ser um mês mais fraco para as vendas, mas que a queda foi além do esperado. “Ninguém está vendendo nada”, resumiu a funcionária de uma loja de roupas, Estefany da Conceição.

Quem dependente diretamente da compra e venda plástico, papel, vidro e alumínio sofre com a restrição. Eliane Pires, compradora de material também reclama da falta do que vender e conta que só consegue se manter porque comercializa aquilo que já tinha no estoque. “Eu preciso dos catadores para o meu sustento, mas eu sei que lá tem muita gente que precisa”.

Ela revende o material para uma empresa de reciclagem que compra de outros 10 catadores e disse que ajuda a girar a economia do bairro, já que paga a vista pelos produtos.



Concordo com a Priscila Barcelos e vou além. O estado gasta em média R$2,8 mil reais mensais com cada preso, estes mesmos que só trazem danos, tristezas e maus a sociedade e não quer dar meio de trabalho a quem ajuda não só na retirada de materiais recicláveis, o meio ambiente, redução de degetos no lixão e sim a conciêntização de separarmos nosso lixo. Nós com salário de R$625 e um presidiário gastando R$2,8 mil , os governates dão maior valor a aqueles que são seus semelhantes(criminosos) ao invés de seus cidadãos de bem! VERGONHA!!!!
 
Alexandre de Souza em 16/01/2013 19:42:04
Ate concordo com vc mas esses que dizem que nao tem casa ,isso tudo nao passa de uma grande mentira pesquise a fundo que veras que todos tem casa ,e ate mansao e das boas caminhao.pesquisem.
 
renato ilmo em 16/01/2013 19:15:08
Acho um ABSURDO terem proibido a entrada dos catadores no lixão, pois esse é um meio de sobrevivência deles, como vimos, eles estão passando por necessidades porque não podem trabalhar. Deve-se sim existir certas regras, como por exemplo, a entrada de menores, e não vetarem o único meio que eles têm de sustentar suas famílias. Que as autoridades deixem de ser displicentes e tomem uma atitude mais humana com essas pessoas.
 
Priscila Barcelos em 16/01/2013 10:55:07
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions