ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, SEXTA  14    CAMPO GRANDE 31º

Economia

Povo trabalha só esperando a hora da aposentadoria, mas quando ela chega...

Neste Dia do Trabalhador (1º), a reportagem ouviu realidades e expectativas de quem já se aposentou ou vai

Por Cassia Modena, Geniffer Valariano e Clara Farias | 01/05/2024 12:37
Tapeceiro Luiz Mario ainda nem se aposentou e já planeja não parar de trabalhar (Foto: Paulo Francis)
Tapeceiro Luiz Mario ainda nem se aposentou e já planeja não parar de trabalhar (Foto: Paulo Francis)

Acordar cedo para ir trabalhar e chegar em casa quando o sol já foi embora, cansado e ainda pensando nas contas a pagar, não é vida fácil. Mas e depois que aposenta, será que melhora?

O Campo Grande News aproveitou este Dia do Trabalhador (1º) para sair às ruas de três bairros e saber como a vida pós-aposentadoria está sendo para alguns e qual a realidade e as expectativas de outros que ainda não chegaram lá.

Sebastião Caju, 68, é proprietário de uma oficina no Bairro Mata do Jacinto e aposentou-se há dois anos. Por causa dos descontos, o benefício é parte muito pequena de sua renda.

Eu aposentei, mas ganho uma mixaria de R$ 400 por mês. Sempre trabalhei, desde os 7 anos na roça, em Naviraí. Arava algodão, feijão, mexia com amendoim também. Ia para o colégio, voltava e trabalhava de novo. Trabalhei demais na minha vida, fui segurança de carro-forte aqui em Campo Grande, já morei no Bairro Universitário, Pioneiros, e vim aqui para a Mata do Jacinto, onde trabalho das 7h às 17h para fazer 'um trocado' e conseguir fechar o mês", conta.

O aposentado Sebastião Caju descansa na cadeira neste feriado, enquanto o trabalho o espera na oficina (Foto: Paulo Francis)
O aposentado Sebastião Caju descansa na cadeira neste feriado, enquanto o trabalho o espera na oficina (Foto: Paulo Francis)

A também aposentada Agostinha Peralta, 70, ainda não parou de trabalhar porque precisa complementar o que ganha e se sente útil trabalhando. Ela mora no Bairro Dom Antônio Barbosa.

Eu não consigo ficar em casa. Recebo a aposentadoria e pensão do meu marido [falecido], mas não dá. Sou empregada doméstica e continuo trabalhando para completar a renda e também porque patrão não me larga. Tentei ficar dois anos em casa depois que aposentei, mas ele me chamou de novo", fala.

A aposentada relatou, ainda, ter sido vítima da onda de descontos indevidos que associações são acusadas de fazer em pensões e aposentadorias. "A aposentadoria ajuda muito, mas não dá pra viver só dela, é muito pouco e também tem muito desconto. A minha estava tendo desconto de R$ 360 reais e eu nem sabia do que era. Cancelei, mas depois teve outros", lamenta.

Mesmo com aposentadoria, pensão do marido e salário de doméstica, fechar as contas é desafio para Agostinha (Foto: Marcos Maluf)
Mesmo com aposentadoria, pensão do marido e salário de doméstica, fechar as contas é desafio para Agostinha (Foto: Marcos Maluf)

Falta pouco - Antônio Carlos Del Maõ, 59, mora no mesmo bairro que Agostinha. Ele trabalha na bicicletaria do sogro e mora com a esposa, já aposentada.

Para ele, o momento da aposentadoria está chegando.

"Pelas contas do meu advogado, eu me aposento ano que vem. Eu gostaria muito de parar de trabalhar, mas ainda pretendo continuar porque é muito pouco [a aposentadoria], é menos de um salário [mínimo]", conta.

O trabalho na bicicletaria é "puxado" e os ganhos são poucos.

Comecei trabalhando com vendas de peças e agora estou com a bicicletaria. Aqui já foi bom, mas agora nem dá pra tirar um salário [mínimo] direito. A aposentadoria seria um complemento dessa renda", prevê.

Antônio já sabe que os gastos serão maiores que o benefício da aposentadoria (Foto: Marcos Maluf)
Antônio já sabe que os gastos serão maiores que o benefício da aposentadoria (Foto: Marcos Maluf)

Para o tapeceiro do Bairro Coronel Antonino, Luiz Mario Alves, 58, faltam sete anos. Ele também quer seguir trabalhando após a aposentadoria.

“Olha, eu não tenho intenção de me aposentar 'completamente'. Aos 65 anos vou me aposentar, mas continuar na tapeçaria. Enquanto tiver saúde, vou ficar trabalhando, ?", planeja.

O motivo é não ter outra alternativa. "Eu não tenho outra opção. Mil [reais] não vai dar, mil e pouquinho. Uma 'idazinha' no supermercado pra comprar pão e leite já dá R$ 50. Se vai todo dia, ao final do mês vira R$ 1.500, fora as contas de casa, fora a carne, a bebida", calcula.

Ele comemora morar com a família em uma casa própria, onde montou a aposentadoria. "Imagina se tivéssemos que pagar aluguel? A aposentadoria não ia conseguir pagar tudo".

Falta muito - Ney Emilliano, 27, é microempreendedor individual e tem uma loja de assistência técnica em Paraíso das Águas, cidade onde ele mora.

Ney é microempreendedor e desanima em pensar como seria viver só do benefício previdenciário (Foto: Marcos Maluf)
Ney é microempreendedor e desanima em pensar como seria viver só do benefício previdenciário (Foto: Marcos Maluf)

A aposentadoria está distante para ele, que não esconde o desânimo.

"Eu não tenho filhos, mas o custo de vida onde moro é muito alto. O aluguel lá é em média R$ 1.200, mais os gastos que teria, provavelmente de R$ 400. Não daria pra viver só com a aposentadoria. Ainda nem sei se vou conseguir me aposentar porque cada ano que passa está ficando mais longe. Quando eu chegar aos 65 anos para me aposentar, [a regra] vai ser ter 100 anos", diz.

Professor Clarialdo diz que reforma da previdência prejudicou sua categoria e que aposentadoria deixou de ser um sonho (Foto: Marcos Maluf)
Professor Clarialdo diz que reforma da previdência prejudicou sua categoria e que aposentadoria deixou de ser um sonho (Foto: Marcos Maluf)

O professor Clarialdo Gabriel Alonso, 30 anos, trabalha em meio período do dia e usa parte da renda para pagar as dívidas. Pensa em financiar uma casa e compara como era na época dos pais dele. "Com essa mesma idade os meus pais já teriam casa e outros bens", afirma.

A reforma da previdência atrasou a aposentadoria e prejudicou principalmente a sua categoria, lamenta.

É mais difícil se aposentar, ainda mais para os professores. A aposentadoria já não é mais um sonho", conclui.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.




Nos siga no Google Notícias