ACOMPANHE-NOS    
JULHO, SEXTA  30    CAMPO GRANDE 

Economia

Sindicato Rural pede cautela sobre importação de gado paraguaio para MS

A discordância surge contra opiniões que sugerem trazer rebanhos do país vizinho para repor matéria-prima para abate

Por Guilherme Correia | 25/02/2021 10:45
Gado bovino em propriedade rural em Mato Grosso do Sul (Foto: Arquivo/Campo Grande News)
Gado bovino em propriedade rural em Mato Grosso do Sul (Foto: Arquivo/Campo Grande News)

Alguns setores se mobilizam contra a ideia de importar gado paraguaio para repor os estoques dos frigoríficos de Mato Grosso do Sul. O SRCG (Sindicato Rural de Campo Grande, Rochedo e Corguinho) diz que a maior preocupação é com o mercado local.

Conforme reportado ontem, alguns produtores  já encaminharam pedido ao Ministério da Agricultura para permitir isso. Há quem também aponte perigos sanitários envolvendo a febre aftosa.

O presidente do SRCG, Alessandro Coelho, diz compreender as necessidades do setor, mas pede cautela. “Trata-se de uma questão a ser pensada e analisada, tendo em vista que por várias vezes os pecuaristas de Mato Grosso do Sul foram prejudicados pelas altas dos preços no Paraguai e, nunca ocorreu exportação de gado para o Paraguai, quando houve falta de oferta no país vizinho”.

Acreditamos, como pecuarista, que a solução é temerária e que pode vir a prejudicar, o futuro os pecuaristas do Mato Grosso do Sul”, completa.

Segundo ele, os custos de produção da pecuária paraguaia são inferiores aos praticados no País, gerando uma "concorrência injusta". “Uma abertura de mercado nesses moldes, pode acarretar desestímulo ao pecuaristas sul-mato-grossenses, tanto econômico, como social. Sem citar que isso impactaria a produção, da mesma forma como ocorreu com a produção de arroz no estado, que já foi referência na cultura e atualmente importa a maior parte do que consome”.

Por fim, foi dito ainda que o Sindicato aguarda posicionamento do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, para que esse avalie com "bastante precaução". O Campo Grande News já solicitou algum posicionamento inicial por parte da pasta, mas não obteve retorno.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário