ACOMPANHE-NOS    
ABRIL, QUARTA  01    CAMPO GRANDE 33º

Educação e Tecnologia

Falta de transporte e discriminação racial tiram crianças da escola em MS

Casos foram registrados por 24 municípios inscritos na Busca Ativa Escolar

Por Tainá Jara | 02/02/2020 10:28
Desinteresse também está entre os motivos para evasão (Foto: Arquivo)
Desinteresse também está entre os motivos para evasão (Foto: Arquivo)

Falta de transporte escolar, discriminação racial e até desinteresse deixam crianças e adolescentes de Mato Grosso do Sul fora da escola. É o que mostra dados repassados por 24 municípios do estado ao programa Busca Ativa Escolar, da campanha “Fora da Escola Não Pode!”, promovido pela Unicef (Fundação das Nações Unidas para a Infância).

Lançado em 2017, a iniciativa é dividida em quatro fases, que se inicia com o mapeamento de crianças e adolescentes que estejam fora da escola ou que estejam sob risco de evasão escolar e o reconhecimento dos motivos que geram essa condição, caso a caso. Na sequência, as equipes estabelecem estratégias para assegurar que frequentem as aulas.

Dos 79 municípios do Estado, apenas 24 aderiram ao programa. Casos de crianças fora da escola foram comunicados pelas prefeituras de Bonito, Chapadão do Sul e Rio Verde. Na primeira cidade, distante 265 quilômetros, foram registrados, desde junho de 2018, quando aderiu ao programa, sete casos de evasão, sendo 4 por transporte escolas, 2 por sentir a escola desinteressante e um caso de discriminação racial.

No município de Chapadão do Sul, distante 330 quilômetros da Capital, foi registrado um caso de evasão envolvendo falta de infraestrutura escolar. Caso de falta de transporte escolar também foi comunicado pela prefeitura de Rio Verdes, distante 238 quilômetros da Capital.

Nacional - A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua 2017, do IBG (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), indicava que dois milhões de crianças e adolescentes com idade entre 4 e 17 anos não frequentavam as aulas.

Os maiores índices se concentravam em grupos com as maiores faixas etárias ou a menor delas, ou seja, quando deveriam estar começando a ter contato com o ambiente escolar ou concluindo o ensino médio. O levantamento mostra que 915.455 tinham 17 anos de idade e 298.948, 16 anos. As crianças de 4 anos de idade somavam 341.925 do total.

Para atingir a meta de melhor a permanência de crianças e adolescentes na escola, a Busca Ativa Escolar, dependa da adesão dos municípios ao programa. Até o momento, 3.050 prefeituras aderiram ao programa. A expectativa inicial era de que, ao fim de 2020, chegue a todas as 5.568 cidades brasileiras.

Além disso, 15 estados se comprometeram com a meta. São eles: Sergipe, Rio Grande do Norte, Maranhão, Bahia, Ceará, Acre, Amazonas, Pará, Roraima, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Tocantins, Amapá, Goiás e Rio Grande do Sul. A região Norte está à frente, com seis estados.

(Com informações da Agência Brasil)