A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 20 de Setembro de 2017


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


17/07/2017 06:00

Crise põe na geladeira projeto de passarela em shopping

Marta Ferreira

Plano esquecido - Em agosto de 2014, o shopping Pátio Central inaugurou uma expansão em moldes inéditos em Campo Grande: uma loja que é do mix do centro comercial mas fica fora dele, a C&A. À época, a ideia era fazer a ligação, posteriormente, por meio de uma passarela no alto, entre os dois prédios. Três anos e uma crise econômica depois, nem se fala no assunto.

Reflexo- Em vez de novos projetos, aliás, o centro de Campo Grande, assim como várias regiões de comércio, padece com o fechamento de lojas. Galerias inteiras estão fechadas, com prédios à espera de locadores, inclusive centros de comércio popular, como o antigo shopping Pantanal. Antes movimentado, agora o espaço é uma sequência de vitrines com placas de aluga-se, com frentes para as ruas Dom Aquino e Candido Mariano Rondon.

Oferta – O vereador Vinícius Siqueira (DEM) revelou-se indignado com o fato de o PT regional ter dado calote em trabalhadores demitidos pela nova gestão, comandada por Zeca do PT. Além de apontar a ironia disso acontecer justo com a legenda surgida a partir do movimento sindical, ofereceu serviços jurídicos aos ex-funcionários afetados.

Discurso – Contumaz crítico do PT, Siqueira tentou adotar discurso de indiferença em relação à condenação do ex-presidente Lula na última sessão antes do recesso. Ele se inscreveu para discursar na tribuna da Câmara da Capital e, em seguida, Ayrton Araújo (PT) também se escalou para falar. A ordem das inscrições criou expectativa de embate acalorado, mas não foi bem assim.

"Cachorro morto" - Siqueira não falou o nome de Lula, alegando "não ser medieval a ponto de segurar a cabeça decapitada do meu inimigo pelo cabelo". Declarou apenas que "eles merecem a indiferença". Ayrton, do seu lado, defendeu o líder petista, dizendo que a condenação foi uma "cortina" para as denúncias contra o presiente Michel Temer (PMDB).

Em produção - Pouco falada de forma aberta entre os membros do Judiciário em Mato Grosso do Sul, a situação dos índios é um dos temas de livro que está em fase de pesquisa de campo, com previsão de visita a quatro aldeias no sul do estado. O autor é o desembargador federal Nery da Costa Junior, titular do Tribunal Regional Federal da 3ª Região, sediado em São Paulo, com jurisdição sobre MS. O título escolhido foi Che Tiempo Guare, o equivalente na língua guarani a “minhas saudades”.

Sem receio – Para esta coluna, o desembargador afirmou que a obra vai tratar de memórias históricas e culturais da região, e os índios não poderiam ficar de fora. Nery não vê risco de desagradar lados em uma região em que a disputa de terras é sempre motivo de polêmica. Para ele, o quadro é muito claro: o Poder Público é quem está de costas tanto para as necessidades dos índios quanto para a dos produtores que receberam títulos de terras. 

Biografia - Nery é nascido em Amambai, na fronteira do Brasil com o Paraguai, estudou em escola local, fez faculdade na atual UCDB, em Campo Grande, e foi nomeado para o TRF3 na cota da advocacia. Em 2013, chegou a ficar afastado do Tribunal, em razão de suspeita de beneficiar um frigorífico na região de Ponta Porã com sua atuação no tribunal, mas foi reconduzido e inocentado pelo CNJ (Conselho Nacional de Justiça).

Engano – Quem passou perto do mercadão de Campo Grande neste domingo (16), no meio da manhã) assustou-se com o que parecia ser fumaça. Até os bombeiros foram acionados, mas não era fogo. Era dedetização do tradicional espaço de comercialização de produtos regionais

Repercussão de ação contra quadro divide deputados
Quadro da discórdia - Quase uma semana depois, ainda rende nos bastidores da Assembleia a polêmica intervenção de deputados que foram à polícia contr...
Expogrande sonha com Roberto Carlos para 2018
“Só nomes “top” - É o que a direção da Acrissul (Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul) quer trazer para a edição de 2018 da feira, que será...
Coincidência trágica e violenta uniu Mayaras na Capital
Coincidência trágica – Não só o nome, mas o destino trágico uniu duas Mayaras em Campo Grande. Mayara Amaral, de 27 anos, foi assassinada no dia 24 d...
CPI estuda nem ouvir donos da JBS
Inócuo - Diante de tantas confissões da JBS de que não fez os investimentos prometidos em Mato Grosso do Sul, a CPI criada na Assembleia Legislativa ...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions