A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


26/04/2016 06:00

Governo pede diálogo e responsabilidade a servidores

Waldemar Gonçalves

Diálogo e responsabilidade – A ordem no governo estadual, com relação à campanha salarial do funcionalismo, é dialogar e se manter dentro do limite da responsabilidade fiscal. Algumas categorias têm colocado a faca no pescoço do Executivo, que promete manter a negociação nos limites do possível. O governo propõe abono linear de R$ 200 nos salários dos servidores e já tem o apoio de boa parte deles.

Sem falsa promessa – O governador, Reinaldo Azambuja (PSDB), voltou a falar da questão envolvendo os servidores ontem: “não podemos prometer algo que depois você não consiga cumprir e levar o Estado ao não pagamento ou atraso do salário, como hoje é a situação de praticamente a metade dos estados do País”.

Incertezas – Reinaldo também falou que o cenário econômico atual é de incerteza. “Não sabemos se o País volta a crescer ou não, mas no limite da responsabilidade nós vamos até o fim”. Ainda conforme reforçou o governador, não se trata apenas de uma agenda de governo, mas de uma atitude de responsabilidade.

Confiante – O ex-governador André Puccinelli (PMDB) está confiante com a candidatura do deputado Renato Câmara (PMDB) em Dourados. Disse que pode ocorrer uma reviravolta, assim como já aconteceu outras vezes em Campo Grande. “Podemos virar o jogo”. O parlamentar deve enfrentar o ex-companheiro de partido, o deputado federal Geraldo Resende, que migrou para o PSDB na janela partidária.

Em acordo – Outra declaração de Puccinelli, de que o PMDB tem um acordo com o PSB visando as eleições deste ano, pode prevalecer também em Dourados. Embora o prefeito, Murilo Zauith (PSB), esteja decidido a manter uma neutralidade oficial no pleito, seu grupo político já trabalha pela candidatura do deputado peemedebista Renato Câmara.

Não é meu – Puccinelli ainda brincou sobre boatos de que um Uno vermelho, que caiu no Córrego Bálsamo no fim de semana, fosse o seu famoso veículo, apelidado de “Ferrari”. Disse que até mandaram mensagens para ele perguntando se era verdade, mas o carro estava bem guardado no seu escritório político. André, inclusive, foi com o tal Uno a reunião do PMDB, ontem, para comprovar o fato.

Lixo e saúde – O objetivo era discutir saneamento básico, porém, audiência pública na segunda-feira (25) acabou concentrando debates sobre os problemas no lixão de Campo Grande. Dar um lar e trabalho às famílias da Cidade de Deus virou questão de saúde pública. “Falta vontade política, planejamento e competência de gestão”, disse o vereador João Rocha (PSDB), presidente da Câmara Municipal.

Obras paradas – Questionado sobre as frequentes visitas a obras abandonadas em Campo Grande, Rocha informou que a Câmara Municipal pediu à Caixa Econômica Federal um balanço dos recursos enviados à Prefeitura para estes projetos parados. Tudo isso para compor a denúncia que o Legislativo pretende enviar ao Ministério Público.

Guerra e paz – Em relação à guerra travada entre Executivo e Legislativo, em Campo Grande, o arcebispo da Capital, dom Dimas Lara Barbosa, tem orado para que as forças públicas “se dêem as mãos pelo bem do povo”. Porém, ele admite achar difícil que a coisa caminhe quando começar o período eleitoral. “O momento é delicado”, pondera o religioso.

Decisão do partido – O secretário estadual de Governo, Eduardo Riedel, disse ontem que respeitará a decisão do PSDB sobre a definição da candidatura à Prefeitura de Campo Grande. Ele e a vice-governadora, Rose Modesto, são cogitados para a disputa. A decisão deve sair ainda nesta semana. Riedel destaca que os perfis são diferentes e que não brigará internamente. Há quem diga que a escolha de Rose já está definida.

(com a redação)

2018 será ano mais curto para o Legislativo
Três meses – Carnaval, Semana Santa, campanhas eleitorais, Copa... Tudo isso encurta 2018 para os trabalhos legislativos. A observação é de Fábio Tra...
Máfia do Cigarro passa quase livre nas estradas
Esquema antigo - A atuação da Máfia do Cigarro em Mato Grosso do Sul vem de décadas e, de tempos em tempos, surge uma nova denúncia envolvendo polici...
MS também tem "bunker" cheio de dinheiro
Versão tupiniquim - O “bunker”de Geddel Vieira, que escondeu R$ 51 milhões de propina, tem versão pantaneira. Paredes de apartamento de um político e...
Secretário torce e comemora venda da folha
Torcida - Parecia um jogo valendo título a forma como o secretário de Finanças e Planejamento de Campo Grande, Pedro Pedrossian Neto, acompanhava a a...


Concordo com o Governador, no entanto, esses sacrifícios e responsabilidades tem que partir dos dois lados. Ora, o governo contratou publicidade e propaganda por 6 meses gastando, nada mais nada menos, que R$ 35.000.000,00 (milhões). Como explicar isso, basta observar as aparições do governo, diga-se de passagem, somente em horários nobres. Não aguento mais ouvir falar de "caravana da saúde e rota do desenvolvimento".
Agora vem com essa de responsabilidade!
 
TOYOSHI SATO em 26/04/2016 21:18:29
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions