ACOMPANHE-NOS    
JANEIRO, QUARTA  26    CAMPO GRANDE 23º

Comportamento

“Ela é tudo para mim”, diz morador de rua sobre proteção do sol para cachorrinha

Paulo e Bianny permanecem durante todo o dia na Avenida Eduardo Elias Zahran, pedindo por ajuda

Por Aletheya Alves | 06/12/2021 15:35
Paulo e Bianny ao lado da casinha improvisada para proteção contra o calor. (Foto: Paulo Francis)
Paulo e Bianny ao lado da casinha improvisada para proteção contra o calor. (Foto: Paulo Francis)

Às 15h desta segunda-feira (6), os termômetros marcavam 32ºC na Capital e, pensando na temporada de calor, o morador de rua Paulo Henrique Ernica, de 48 anos, improvisou uma cobertura para sua cachorrinha na Avenida Eduardo Elias Zahran.

Há cerca de cinco anos vivendo em Campo Grande, Paulo explica que Bianny se tornou sua companheira há quatro anos. “Encontrei ela na rua com doença do carrapato e levei para cuidar. Desde então, não abandonei mais. Eu falava 'vieni qui', que em italiano é "vem aqui" e ela começou a atender. Aí deixei Bianny, porque é parecido”, disse.

Sem proteção contra o sol para si mesmo, ele relata que fez a cobertura por entender que era uma necessidade básica para a companheira devido às altas temperaturas. “Eu fiz para proteger ela, porque eu não visto um casaco de pele diariamente, mas ela, sim. Ela é tudo para mim”.

Campo Grande News - Conteúdo de Verdade

Deus colocou ela junto comigo, porque ele sabe que a gente precisa. Eu entendo ela e ela me entende também, então, não abandono por nada. Eu procuro fazer o melhor para ela, mas sei que ela faz muito mais por mim", diz.

Paulo explica que é de São Paulo e que perdeu o rumo da vida após ser furtado ao chegar em Campo Grande. “Eu cheguei aqui e furtaram meus documentos no Cetremi, então, não tenho mais. Mexia com artes plásticas, mas deixei para lá. Eu me sentia só antes dela, ela é minha companheira, minha psicóloga, minha amiga”.

Com a ajuda recebida diariamente no semáforo, Paulo conta que conseguiria alugar um quarto na região, mas para isso, precisaria abandonar Bianny. “Eu não abandono ela por nada, então, prefiro continuar morando na rua”.

Sobre sua situação atual, ele relata que o essencial é conseguir a 2º via de seus documentos e, assim, retornar para São Paulo, mas desta vez, com a companheira. Sem celular ou telefone, quem puder oferecer ajuda, deve encontrar Paulo na Avenida Eduardo Elias Zahran, esquina com Avenida Costa e Silva.

Bianny protegida do sol ao lado da Avenida Eduardo Elias Zahran. (Foto: Paulo Francis)
Bianny protegida do sol ao lado da Avenida Eduardo Elias Zahran. (Foto: Paulo Francis)


Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário