ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, SÁBADO  08    CAMPO GRANDE 21º

Comportamento

Família se reúne para festejar centenário de Maria, famosa por amansar cavalos

"Mesmo grávida, ela ia amansar os animais. Os homens tinham inveja”, garante a neta Laudilene

Por Lucas Arruda | 05/09/2017 08:09
Laudilene e os filhos que compareceram para comemorar o aniversário (Foto: Arquivo pessoal)
Laudilene e os filhos que compareceram para comemorar o aniversário (Foto: Arquivo pessoal)

Hoje quem vê a fragilidade da senhorinha Maria Oliveira Peixoto mal sabe que era ela quem amansava cavalos, gado, burro e mula quando morava em uma fazenda em Bandeirantes, a 70km de Campo Grande. Na época, por conta da braveza, ela era conhecida como Maria Carreira. “Mesmo grávida ela ia amansar os animais. Os homens tinham inveja”, garante a neta Laudilene Peixoto de Alencar, de 36 anos.

Dona Maria completou 100 anos no último domingo (3), ainda está bem lúcida e não tem graves problemas de saúde, mas mal consegue andar por conta da fraqueza nas pernas. Hoje só consegue amansar os membros da família, que se reuniram para celebrar o centenário da matriarca. No total são 12 filhos – cinco já falecidos -, 40 netos, 75 bisnetos, 43 tataranetos e duas tetranetas.

Nem todos puderam ir à comemoração. “Muitos moram longe, não conseguiram viajar pra cá, mas também se reunisse todo mundo a gente ia ter que alugar um salão bem grande”, brinca Laudilene.

Dona Maria e os netos (Arquivo Pessoal)
Dona Maria e os netos (Arquivo Pessoal)
Dona Maria e os bisnetos (Arquivo pessoal)
Dona Maria e os bisnetos (Arquivo pessoal)
Dona Maria e os tataranetos (Arquivo Pessoal)
Dona Maria e os tataranetos (Arquivo Pessoal)
Dona Maria e as duas tetranetas (Arquivo Pessoal)
Dona Maria e as duas tetranetas (Arquivo Pessoal)

Para ela a avó é uma fonte de inspiração. “Ela é uma guerreira, perdeu o meu avô quando estava com 57 anos, eu mesma nem o conheci. Terminou de criar os filhos sozinha e ajudou a criar muitos dos netos, agora acolhe todo mundo quando nos juntamos”, afirma.

Além de amansar os animais e cuidar da família, dona Maria ainda é quem carpia o quintal, tomava conta do pomar e ainda dirigia o carro de boi até o hospital da cidade quando alguém adoecia. “Eram muitas horas de viagem até o hospital mais próximo da fazenda, em Ribas do Rio Pardo”, conta a neta.

Mas não era só de obrigações com a casa, fazenda e família que vivia Maria Carreira. Ela também encontrava tempo pra se divertir. “Minha avó era muito festeira, adorava uma roda de viola. Sua paixão mesmo era a catira, ela até cantava”, recorda a neta das histórias que ouviu a avó contar.

Hoje ela anda mais quieta, não é muito de puxar assunto. Talvez seja pelas forças que estão indo embora por conta da idade avançada, mas se alguém parar pra conversar ela responde. “Não é muito de papear mais. Antes contava muitas histórias, gostava muito de quando ela lembrava dos tempos de amansadora”, ressalta Laudilene.

A neta ainda espera que dona Maria viva mais alguns anos e sabe que a matriarca é o orgulho de toda família. “Viver 100 anos não é para muitos, poucos têm esse privilégio. Por isso que celebramos este aniversário, para lembrar de tudo que ela deixou pra trás, de tudo que ela viveu”, conclui.

Curta o Lado B no Facebook e no Instagram.