ACOMPANHE-NOS    
ABRIL, TERÇA  13    CAMPO GRANDE 21º

Comportamento

Laura pediu para ver o grande amor antes de intubar e saiu após 95 dias

Hoje, ela recomeça a vida após 95 dias hospitalizada e conta detalhes da internação que mudou sua vida

Por Thailla Torres | 07/04/2021 07:33
No início de março, Laura teve alta e recebeu homenagem de familiares e amigos do hospital. (Foto: Arquivo Pessoal)
No início de março, Laura teve alta e recebeu homenagem de familiares e amigos do hospital. (Foto: Arquivo Pessoal)

Não há dúvidas que a necessidade de intubação em casos graves da covid-19 assusta. Nos últimos meses, relatos mostram que a notícia chega carregada de medo e incertezas. Para a funcionária pública Laura Maria Alves da Silva, de 40 anos, não foi diferente. Quando recebeu a notícia que precisaria ser intubada sentiu medo e escolheu ver o grande amor da sua vida para dizer um “até logo”. Dezoito dias depois ela acordou e chegou a ficar 95 dias hospitalizada.

Um mês depois da alta, ela ainda se recupera para voltar a viver e diz que ganhou uma nova família após mais de três meses de internação. “Sou muito grata a toda a equipe. Ali ganhei uma família”, conta.

Laura e a namorada Ana, a peesoa que ela escolheu ver antes da intubação. (Foto: Arquivo Pessoal)
Laura e a namorada Ana, a peesoa que ela escolheu ver antes da intubação. (Foto: Arquivo Pessoal)

A saga pela sobrevivência começou em 18 de novembro de 2020. “Tive uns sintomas como se fosse gripe e, no dia seguinte, melhorou. Dias depois cheguei do plantão e senti fraqueza no corpo. Fui até uma unidade 24 horas de atendimento, passei pelo médico, fiz o exame e voltei para a casa. Mas a fraqueza continuava”.

Com o resultado positivo para covid-19 e o aumento dos sintomas, como febre alta e mais fraqueza, Laura foi levada pela namorada Ana Flávia até a Clínica Campo Grande no dia 27 de novembro.

“Ali fiquei no oxigênio em observação, fiz tomografia e já estava com quase 80% do pulmão comprometido”, recorda. Nesse mesmo dia Laura foi intubada. “Eles me perguntaram quem eu queria ver antes da intubação, pedi para ver a Ana. Foi muito difícil ter que segurar a emoção vendo-a chorar”.

Apesar do medo, para Laura a intubação não foi uma sentença. “Eu tinha esperanças de que eu voltaria e me apeguei a isso”.

Hoje Laura se recupera em casa e faz fisioterapias, após 95 dias de internação. (Foto: Arquivo Pessoal)
Hoje Laura se recupera em casa e faz fisioterapias, após 95 dias de internação. (Foto: Arquivo Pessoal)

Foram 18 dias de intubação. Quando saiu da sedação Laura ainda ficou alguns dias no CTI. “Isso não foi fácil. Vi pessoas morrerem ali. Enquanto isso buscava manter a fé e meu psicológico para não me desesperar”.

Das poucas lembranças, cita que sonhou com uma tia, que faleceu em 2018. "Sonhei muito com ela e ela dizia que só tinha ido me abraçar. Senti ela ao meu lado todo o tempo", conta.

Laura teve escaras que ocasionaram fortes dores. “Perdi o movimento do corpo e fui submetida no dia 22 de dezembro a uma cirurgia para colostomia, com objetivo de evitar infecção por conta da escara na sacral”, explica.

No dia 24 de dezembro, véspera de Natal, ela foi transferida para o Hospital São Julião para reabilitação e tratamento da escara. “Ainda estava com pneumonia e ali fui cuidada por pessoas maravilhosas, verdadeiros anjos. Vou representá-los pela enfermeira Edivania que cuidou de mim e ainda cuida assim como a Dra. Débora”, cita.

O pai de Laura nasceu no São Julião, por isso, para ela, o hospital tinha um clima diferente. “Foi muito importante ser cuidada ali, em um lugar que faz parte da minha história”.

No dia 4 de março, com balões e gritos de felicidade, Laura recebeu alta e uma homenagem da família, amigos e profissionais do hospital. “Foi um momento especial”.

Hoje, ela continua em tratamento com fisioterapias e terapia ocupacional. Mas agradece pela mudança de olhar para a vida. “Quando voltei pra casa meu sentimento foi de gratidão à Deus pelo milagre que ele operou na minha vida. Tive muitas orações por mim e me senti muito amada nesses dias de internação. Hoje, sinto que a minha fé nas pessoas e na vida foi renovada”.

Curta o Lado B no Facebook. Tem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: ladob@news.com.br ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário