A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 21 de Setembro de 2017

03/09/2017 07:10

Na contramão da modernidade, Thales abandonou celular há mais de 2 anos

Para entrar em contato com Thales Henrique só pelo Facebook e torcer para ele estar online

Lucas Arruda
Único meio de contato do jovem atualmente é pelo Facebook (Fotos: João Paulo Gonçalves)Único meio de contato do jovem atualmente é pelo Facebook (Fotos: João Paulo Gonçalves)

O músico e produtor cultural Thales Henrique é um jovem de 21 anos como outro qualquer em diversos aspectos: tem sonhos, gosta de sair, tem bastante amigos, toca numa banda. Mas o que o difere dos demais é que há dois anos ele não tem celular.

Para muitos isso pode ser algo inimaginável. Ele encara isso com naturalidade. “As pessoas, às vezes, ficam encabuladas, para mim é normal”, afirma.

O processo de separação do celular não foi doloroso. Há dois anos foi quando o whatsapp chegou ao ápice de sua ascensão, Thales decidiu abandonar o aparelho. Ele chegou a usar o aplicativo por alguns meses, mas por tomar muito do seu tempo decidiu abandonar o aparelho.

“Passei a olhar a vida de outro modo. Em vez de ficar andando olhando para baixo, pro celular, como quase todo mundo faz hoje em dia, passei a enxergar ao redor”, conta.

Após deixar o celular de lado Thales afirma ter passado a prestar atenção nos pequenos momentosApós deixar o celular de lado Thales afirma ter passado a prestar atenção nos pequenos momentos

Assim ele voltou a aproveitar pequenos momentos além de adquirir novos hábitos. Começou a ler poesias com afinco, hoje até escreve e se aprofundou nos estudos de psicanálise.

Encontrá-lo, porém, é difícil. Se não for planejado com antecedência pode não dar muito certo, já que o único meio de contato virtual com as pessoas é o Facebook. “Nem telefone fixo tenho, também não possuo computador, no início só respondia as pessoas na lan house, agora uso notebook dos amigos que moram comigo”, explica. “Mas não é tão complicado assim me encontrar, é só fazer um sinal de fumaça ou mentalizar bastante que dá certo”, brinca.

Thales acredita que sem as redes sociais os relacionamentos são mais profundos. “Quando você conhece alguém pelo Facebook ou outra rede social é mais vazio, só vemos o que as pessoas querem o que vejamos. Agora pessoalmente sabemos quem elas realmente são, seus verdadeiros pensamentos e ideais”, avalia.

Agora ele está pensando em voltar a ter um aparelho, por conta das batalhas de poesia que está organizando pela cidade, mas não pretende 'aproveitar' tudo que o celular possa oferecer. “Tenho que ter um contato melhor por conta dos eventos, mas quero só um chip e o Facebook. O celular pode acabar me sugando muito”, conclui.

Curta o Lado B no Facebook e Instagram.




imagem transparente
Busca

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2017 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.