ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
DEZEMBRO, SEXTA  01    CAMPO GRANDE 27º

Meio Ambiente

No Pantanal, vegetação nativa cai e pasto aumenta

Em 1985, MS tinha 49% de vegetação nativa, mas caiu para 38%, enquanto as pastagens aumentaram de 29% para 36%

Jhefferson Gamarra | 31/08/2023 13:44
Incêndio em meio a pasto em propriedade rural no Pantanal sul-mato-grossense (Foto: Divulgação/WWF Brasil)
Incêndio em meio a pasto em propriedade rural no Pantanal sul-mato-grossense (Foto: Divulgação/WWF Brasil)

Mato Grosso do Sul, um estado abençoado com uma rica diversidade de biomas, dentre eles, abriga dois tesouros naturais de importância inestimável: o Cerrado e o Pantanal. No entanto, o equilíbrio desses ecossistemas está sob ameaça devido a diversos fatores que vão desde o desmatamento para produção agrícola até as mudanças climáticas. Esses biomas, que representam a alma ambiental do estado, enfrentam desafios urgentes, que foram apontados em relatório divulgado nesta quinta-feira (31) pelo MapBiomas.

O Cerrado, considerado a savana mais rica do mundo em termos de biodiversidade, abrange quase a metade do território de Mato Grosso do Sul. No entanto, essa vasta extensão de vegetação nativa está desaparecendo rapidamente. Segundo dados do instituto, a perda de vegetação nativa no Cerrado de Mato Grosso do Sul entre 1985 e 2022 atingiu alarmantes 25%, o que representa 32,1 milhões de hectares.

O que um dia foi um ecossistema diversificado agora está sob pressão crescente devido à expansão da agricultura e da pecuária, bem como à urbanização. A frequência de incêndios florestais também tem aumentado, ameaçando não apenas a flora e fauna, mas também comprometendo a qualidade do ar e a saúde humana.

O Pantanal, uma das maiores áreas úmidas do mundo em extensão e uma das joias naturais de Mato Grosso do Sul, também enfrenta desafios gigantescos. Com sua rica área de alagados e vida selvagem diversificada, o Pantanal é um patrimônio inestimável. No entanto, as ameaças a sua sobrevivência são crescentes.

Entre os anos de 1985 e 2022, o Pantanal de Mato Grosso do Sul perdeu 10% de sua vegetação nativa, que equivale 1,5 milhão de hectares, conforme apontado pelos dados do MapBiomas. O avanço da agropecuária, que inclui a conversão de áreas úmidas em pastagens e cultivos, está comprometendo a hidrologia natural do Pantanal e causando um impacto profundo em sua biodiversidade.

“Estamos nos distanciando, em vez de nos aproximar do objetivo de proteger a vegetação nativa brasileira previsto no Código Florestal e do compromisso de zerar o desmatamento até o final desta década", alerta Tasso Azevedo, coordenador-geral do MapBiomas.

No período de 1985 a 2022, ocorreu uma perda de 96 milhões de hectares de vegetação nativa no Brasil, equivalente a 2,5 vezes a Alemanha. A proporção de vegetação nativa no território caiu de 75% para 64%.

Durante o período de 1985 a 2022, houve um notável avanço da agropecuária em todos os biomas brasileiros, exceto na Mata Atlântica. No Pantanal, esse aumento foi de 5% para 15%. No Cerrado, a expansão foi significativa, ocupando agora metade do bioma (50%), em comparação com pouco mais de um terço (34%) em 1985.

Vale ressaltar que a área ocupada por atividades agropecuárias em todo o Brasil aumentou cerca de um quinto (22%) para um terço (33%) do território total. As pastagens avançaram em 61,4 milhões de hectares e a agricultura em 41,9 milhões de hectares entre 1985 e 2022.

Um dos dados mais alarmantes no estudo é o crescimento da cultura da soja, que se expandiu por todos os biomas. Ao longo do período de 1985 a 2022, a área cultivada com soja aumentou de 4,5 milhões de hectares para 39,4 milhões de hectares, equivalente a duas vezes o território do Paraná.

A soja avançou 18 milhões de hectares no Cerrado. No caso do Pantanal, a soja está mudando o perfil econômico do bioma, que historicamente sempre teve a pecuária sobre campos nativos como a principal atividade rural.

“O Pantanal e o Pampa são exemplos de biomas naturalmente aptos para a pecuária, pois seus campos são como pastagens naturais. Nos dois casos, o avanço da soja representa uma degradação do bioma”, alerta Marcos Rosa, coordenador técnico do MapBiomas.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para entrar na lista VIP do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias