ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, DOMINGO  27    CAMPO GRANDE 33º

Meio Ambiente

Operação contra dano ambiental interdita construção de casas no Pantanal

Policiais autuaram moradores de Courmbá por edificações de alvenaria que podem contribuir para desgaste do Rio Paraguai

Por Izabela Sanchez | 05/08/2020 09:11
Uma das casas ainda era erguida, mas teve obra barrada pela fiscalização (Foto: Divulgação)
Uma das casas ainda era erguida, mas teve obra barrada pela fiscalização (Foto: Divulgação)

Policiais militares ambientais autuaram dois homens, de 37 e 55 anos, na terça-feira (4), por terem construído casas de alvenaria às margens do Rio Paraguai no Pantanal, em Corumbá, a 419 km de Campo Grande.

As edificações ainda em construção, conforme as imagens, eram erguidas em matas ciliares do Rio Paraguai, o que é proibido pela legislação e ainda pode contribuir para o desgaste do rio que alimenta o Pantanal.

O Campo Grande News já havia mostrado que este ano monitoramento da Marinha mostra o Paraguai com o menor nível dos últimos 5 anos e em algumas regiões, como Ladário e Forte Coimbra, a água ficou em 1,44 metros no final de julho.

Ainda assim, a mudança no regime de chuvas, que trouxe a pior seca dos últimos 22 anos, segundo Cemaden (Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais), é considerado o principal fator para a diminuição do rio e queimadas no Pantanal.

Segundo aponta o Diário Corumbaense, a PMA realizou operação em parceria com os militares da Marinha. Durante essa fiscalização, homem de 55 anos e que mora na cidade de Corumbá, segundo o jornal, foi multado em R$ 1 mil.

Sem licenciamento ambiental, a casa que ele construía serviria como moradia ao proprietário, aponta o site. Ainda para ser concluída, a obra foi interditada.

Já o proprietário de 37 anos disse para as equipes de fiscalização que havia outra edificação no local, derrubada por ele para erguer a nova casa. A obra também foi interditada e o dono, multado em R$ 1 mi.

Os dois devem responder por crime ambiental, segundo a PMA, porque as construções têm potencial de poluição e não tinham autorização ambiental.

Regras de comentário