A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 22 de Março de 2019

12/02/2019 19:30

Acordo é confirmado e MDB indica Simone para presidir a CCJ do Senado

Senadora de MS também deverá assumir a presidência do colegiado a partir de acordo com demais integrantes

Humberto Marques
Na semana passada, Simone antecipou acordo entre PSDB e MDB que resultou em sua indicação para a comissão. (Foto: Paulo Francis/Arquivo)Na semana passada, Simone antecipou acordo entre PSDB e MDB que resultou em sua indicação para a comissão. (Foto: Paulo Francis/Arquivo)

Confirmando acordo costurado desde a semana passada, Simone Tebet foi indicada pelo MDB nesta terça-feira (12) para a CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado, considerado o colegiado mais importante do parlamento, e, por acordo entre outros parlamentares, deverá assumir o comando daquela instância do parlamento. A designação ocorreu após reunião entre o presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e líderes das bancadas. Escolhida, a senadora já planeja criar subcomissões para acelerar o trâmite de projetos como a reforma da Previdência e da Lei Anticrime elaborada pelo ministro Sergio Moro (Justiça).

No encontro, foi feita a partilha dos comandos das comissões permanentes do Senado. O MDB, que se viu alijado do comando da Casa há cerca de duas semanas –ante a derrota de Renan Calheiros (AL), devido a uma frente de oposição articulada por Simone–, acabou satisfeito com o resultado: o líder do partido, Eduardo Braga (AM), disse ao UOL que considerou a indicação do MDB para três comissões “atende à proporcionalidade” do Senado.

O MDB segue como a maior bancada do Senado, teve garantidas as comissões de Educação e a CMO (Comissão Mista de Orçamento) e estava ameaçado de deixar a CCJ. Oficialmente, o comando da comissão caberia ao PSDB, mas um entendimento entre os tucanos orquestrado por Tasso Jereissati (CE) resultou na indicação de Simone. Na semana passada, a senadora explicou ao Campo Grande News que, caso não fosse ela a escolhida, o MDB perderia o comando da CCJ, que recairia sobre um peessedebista.

Simone ganhou espaço no Senado depois de rivalizar com Renan a indicação do MDB para presidir a Casa. Derrotada por 7 votos a 5 na escolha interna, ela incentivou senadores da oposição a criarem uma frente anti-Renan, que ganhou corpo e culminou na renúncia do alagoano da disputa, favorecendo Alcolumbre.

A jornalistas, Simone confirmou que Eduardo Braga a indicou para compor a CCJ em nome do MDB. “A maioria absoluta (do MDB) aceitou de bom grado meu nome para a comissão, que trata da legalidade e constitucionalidade de projetos e do mérito das emendas constitucionais”, destacou a senadora, que creditou ao novo presidente do Senado a construção do consenso na formação dos colegiados, conseguindo espaço para todos os partidos.

“Agora vamos trabalhar para que ocorra o mais rapidamente possível as indicações das presidências para constituir as comissões e trabalhar, já na semana que vem, em favor do Brasil”, pontuou Simone, ao reiterar que a CCJ é “o coração do Senado” pelo qual, neste ano, passarão projetos considerados prioritários pelo governo do presidente Jair Bolsonaro.

Subcomissões – Simone antecipou que projeta criar de quatro a cinco subcomissões na CCJ de forma a acelerar o andamento de propostas consideradas prioritárias pelo Governo Bolsonaro, como a reforma da Previdência e o pacote de medidas de segurança pública apresentado por Moro –que deve, primeiro, ser analisado na Câmara dos Deputados e chegar ao Senado entre este ano e o início de 2020.

“São 27 membros (na CCJ). Para agilizarmos os trabalhos ante uma pauta tão extensa e importante para o país, provavelmente criaremos subcomissões, se o presidente Alcolumbre achar interessante e discutindo com a comissão. Só vai ocorrer se o colegiado também entender sendo necessário”, destacou Simone, segundo quem até quatro grupos específicos poderiam ser criados na comissão.

A ascensão de Simone ao comando da CCJ, conforme apurou a reportagem, passa por entendimentos entre os demais integrantes da comissão –ela deve ser eleita por aclamação em um acordo já desenhado nos bastidores da Casa.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions