ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, SEXTA  23    CAMPO GRANDE 24º

Política

Aliados do MDB ameaçam debandada após nova troca de candidato

Grupo formado por PR, PTC, PHS, PRTB, PSDC e PRP estuda até lançar outro candidato ao governo

Leonardo Rocha | 13/08/2018 10:23
Presidente do PTC, César Gazolla, durante discurso na convenção do MDB ao lado de Simone Tebet (MDB) e Antonieta Amorim (Foto: Marina Pacheco)
Presidente do PTC, César Gazolla, durante discurso na convenção do MDB ao lado de Simone Tebet (MDB) e Antonieta Amorim (Foto: Marina Pacheco)

Com a segunda desistência do MDB para o governo estadual, os partidos aliados que estão juntos nesta coligação avaliam a saída da chapa e até a possibilidade de lançar um novo candidato para disputa estadual, que seja escolhido de forma consensual pelo grupo. Os representantes das legendas se disseram surpresos com a saída da senadora Simone Tebet (MDB) do páreo.

Estão neste grupo de aliados o PR, PTC, PHS, PRTB, PSDC e PRP. Eles já começaram se articular nos bastidores para tomar uma decisão própria sobre a eleição. “Vamos aguardar a posição oficial do MDB, mas estas mudanças de última hora atrapalham muito, podemos sim colocar um candidato do grupo, eu inclusive coloco nome à disposição”, disse César Gazolla, presidente do PTC.

Ele ponderou que não descarta apoio ao procurador licenciado Sérgio Harfouche (PSC), mas diz que o momento é de avaliação entre as legendas. “Temos que pensar o que é viável do ponto de vista eleitoral, que tenha densidade com a população e seja bom para as legendas”, explicou Gazzola.

O grupo de aliados inclusive já entrou em contato com possíveis opções para o governo, entre eles o Coronel Alírio Villasanti Romero (PHS), que é pré-candidato a deputado estadual. “Entraram em contato comigo ontem (12) dizendo sobre a possibilidade (candidato ao governo) e disse que estou à disposição do partido”.

Villasanti disse que o grupo deve se reunir em breve para avaliar a situação. “Se tiver consenso não vejo porque não termos nosso candidato próprio. Não entendi até agora a saída da Simone (Tebet), estava tão determinada na convenção. Para mim foi uma surpresa”.

Debandada – Caso os aliados do MDB deixem a coligação, será a segunda debandada dentro da chapa, antes do início da campanha eleitoral. Depois da prisão de André Puccinelli (MDB), que culminou na sua saída da disputa o governo, o grupo que tinha mais de 10 partidos, teve a saída do PMN, PEN e Avante, que seguiram para o ninho tucano.

Outra baixa foi o DEM que naquele momento estava em conversa tanto com o MDB, como com os tucanos, mas que devido este impasse, preferiu indicar o vice do governador Reinaldo Azambuja (PSDB), o ex-prefeito Murilo Zauith (DEM).

O presidente municipal do MDB, Ulisses Rocha, reconheceu que esta segunda mudança na “cabeça de chapa” do partido pode provocar “novas saídas” dos aliados, e que novo candidato ao governo pode ser Harfouche (candidato a vice), ou até outro quadro do próprio partido.

Nos siga no Google Notícias