A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

02/09/2015 16:50

Após fracasso de Buriti, ministro quer solucionar conflito em 5 áreas de MS

Priscilla Peres e Ricardo Campos Jr.
Índios protestaram em frente a governadoria. (Foto: Marcos Ermínio)Índios protestaram em frente a governadoria. (Foto: Marcos Ermínio)
Ministro afirma que vai mudar estratégia para tentar resolver conflito. (Foto: Marcos Ermínio)Ministro afirma que vai mudar estratégia para tentar resolver conflito. (Foto: Marcos Ermínio)

Governos federal e estadual e representantes dos índios vão definir cinco áreas de conflito em Mato Grosso do Sul como prioridade para tentar resolver o impasse entre índios e produtores rurais. A estratégia foi definida hoje, com a presença do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e levando em consideração o fracasso das negociações da fazenda Buriti em Sidrolândia, a 71 de Campo Grande.

Tanto o ministro quanto o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) deixaram claro que a situação de conflito da fazenda Buriti não se resolveu devido à intransigência dos proprietários rurais, que não aceitaram o valor da indenização. Diante disso, eles decidiram mudar a estratégia para tentar resolver a situação de cinco áreas.

Dessa forma, será formada uma comissão com representantes do governo federal, estadual e dos índios, que na semana que vem vão se reunir em Brasílias. Os grupos terão de chegar a um acordo sobre cinco áreas prioritárias de conflito em Mato Grosso do Sul. "Cada uma delas será discutida e mediada. Não da pra saber qual será a solução,e nem se ela será única para todas", disse o ministro Cardozo.

Governador concordou que fracasso da Buriti aconteceu devido a intransigência de produtores. (Foto: Marcos Ermínio)Governador concordou que fracasso da Buriti aconteceu devido a intransigência de produtores. (Foto: Marcos Ermínio)

Durante a reunião, o ministro chegou a afirmar que "existe a possibilidade de indenização", mas que vai depender dos limites legais e financeiros da União. Eduardo Cardozo veio ao Estado para tentar pacificar o conflito entre índios e fazendeiros, que se acirrou com a morte do indígena Semião Vilhalva, 24, no sábado (29) na área Ñande Rú Marangatu, em Antônio João.

No local, são 9.317 hectares, cuja demarcação chegou até a ser homologada pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2005. Porém, a situação está travada na Justiça até hoje, devido a recursos impetrados pelos produtores ao longo dos anos.

O governador concordou com o ministro sobre o impasse da fazenda Buriti , disse que as discussões foram um erro, na época e que desta vez aposta na compreensão de índios e fazendeiros. "Temos certeza que com boa vontade temos solução para ambas as partes", disse Reinaldo que também é proprietário rural.

Já o indígena Lindomar Terena, representante da APIB (Articulação dos povos indígenas do Brasil), afirma que os índios são contra a presença do DOF (Departamento de Operações de Fronteira) na região de conflito pois eles são violentos e que não estão satisfeitos com a reunião de hoje, já que aprenderam que a mesa de diálogo não funciona.

"Já tivemos experiência de que a mesa do dialogo não é o caminho. Estamos em um momento em que uma liderança morre, então descem as autoridades para o estado", disse o indígena.

Protesto lembrou as mortes dos indígenas no estado. (Foto: Marcos Ermínio)Protesto lembrou as mortes dos indígenas no estado. (Foto: Marcos Ermínio)


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions