A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

28/10/2015 09:36

Baird pede habeas corpus preventivo e suspensão da investigação pelo Gaeco

Aline dos Santos
João Baird é investigado em esquema de compra de voto de vereadores. (Foto: Marcos Ermínio)João Baird é investigado em esquema de compra de voto de vereadores. (Foto: Marcos Ermínio)

O empresário João Roberto Baird, investigado na operação Coffee Break e conhecido como "Bill Gates Pantaneiro", solicitou habeas corpus preventivo ao TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul). A defesa de Baird, proprietário da Itel Informática, pede a paralisação das investigações até decisão sobre o pedido e que o Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado ) anexe documentos ao procedimento investigatório 18/2015.

A operação investiga esquema entre empresários e vereadores para cassação do prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP), em março de 2014. O pedido é contra o promotor Marcos Alex Vera de Oliveira, que comanda as investigações pelo Gaeco, braço do MPE (Ministério Público Estadual).

A defesa de Baird cita que em 7 de outubro encaminhou ao grupo documento em que rebate informações do Ministério Público, constante no pedido de prisão temporária do empresário João Amorim e do prefeito afastado Gilmar Olarte (PP).

Porém, a inclusão dos dados foi negada em 15 de outubro pois os documentos “avolumariam” desnecessariamente o procedimento e poderiam causar “tumulto processual”.

No documento, Baird informa que não teve interesse em cassar o prefeito e demonstrativos dão conta que o pagamento à Itel Informática foi restabelecido em junho de 2013, ainda na gestão de Bernal. Notas fiscais mostram que foram pagos R$ 10,4 milhões entre junho de 2013 e fevereiro de 2014. 

“Do exposto, percebe-se claramente que João Roberto Baird e a empresa Itel Informática Ltda. não foram agraciados com vantagens na gestão administrativa de Gilmar Olarte, muito menos prejudicados quando Prefeito Alcides Bernal”, alega a defesa.

Ainda conforme o documento, não há provas de que João Baird ofereceu vantagem a vereadores. Baird nasceu em Figueirão e no levantamento da operação Lama Asfáltica, realizada pela PF (Polícia Federal) em 9 de julho, aparece como "Bil Gatess Pantaneiro", diante do patrimônio que conquistou. Ele foi detido no dia 25 de agosto, data da deflagração da Coffee Break, e foi liberado após prestar depoimento.

O habeas corpus foi apresentado ontem à Justiça e ainda não houve decisão. O relator é o desembargador Luiz Cláudio Bonassini da Silva. A reportagem não conseguiu contato com a defesa de João Baird. O promotor vai se manifestar somente no processo.

Rumores – No mês passado, rumores de pedido de prisão levaram a defesa de João Amorim a se antecipar e requerer ao TJ/MS que fosse negada. A solicitação ocorreu antes mesmo de o pedido de prisão temporária chegar ao desembargador.

O empresário, dono da Proteco Construções Ltda, passou 34 horas atrás das grades. Olarte também foi preso e cumpriu os cinco dias da prisão temporária.



Que alcunha mais descabida! William Henry Gates III, mais conhecido como Bill Gates, foi e ainda é um visionário, fundou a Microsoft e vislumbrou que teríamos pelo menos um PC em cada casa e que o seu sistema operacional estaria rodando neles, isso há 40 anos .
Ficou muitibilionário muito cedo e sua meta é DOAR para caridade em torno de US$ 100 bi ao longo de sua vida, pois pensa que precisa devolver à sociedade o que ela deu a ele.

Portanto, esse João Baird não serviria nem para escovar os sapatos de Bill Gates.
 
jukahballakid em 28/10/2015 10:12:46
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions