A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 22 de Setembro de 2017

21/08/2017 13:05

Bancada de MS quer reforma política aprovada a tempo de valer para 2018

Bancada federal do Estado espera que reforma política seja aprovada a tempo de valer para próximas eleições

Richelieu de Carlo e Leonardo Rocha
Simone Tebet discursa durante evento na Assomasul. (Foto: João Paulo Gonçalves)Simone Tebet discursa durante evento na Assomasul. (Foto: João Paulo Gonçalves)

Parlamentares da bancada federal de Mato Grosso do Sul dizem que estão dialogando para que a reforma política seja aprovada a tempo de valer nas eleições de 2018. Atualmente, a proposta está na Câmara dos Deputados e deve ser votada nesta semana.

Conforme a deputada federal Tereza Cristina (PSB-MS), várias reuniões estão sendo feitas, inclusive com o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), sobre a reforma política e que a ideia é chegar a um entendimento para que a aprovação nas duas Casas do Congresso aconteça até início de outubro, para valer nas próximas eleições.

A senadora Simone Tebet (PMDB-MS), por sua vez, diz que rapidez no processo não significa que seus colegas irão apenas ratificar com um "carimbo" o que for decidido na Câmara, e que a obrigação da Casa é, justamente, revisar as decisões dos deputados.

"É assim que se constrói a democracia e faremos isso entendo que é importante ser votado antes do final do prazo para valer antes das eleições", define Simone, que assim como Tereza, participou de evento na Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul).

A proposta de reforma política (PEC 77/03) é o destaque da pauta do plenário da Câmara a partir desta terça-feira (22). Os deputados já encerraram a discussão do texto que, entre outros pontos, altera o sistema eleitoral para o Legislativo e cria um fundo para financiar as eleições.

Tanto Simone quanto Tereza defendem a ideia do modelo chamada 'distritão' funcionar como um processo de transição até ser implantado o distrital misto.

"O distritão deve ser um período de transição de dois a quatro anos para que depois seja instalado o distrital misto, que reduz o campo de atuação do parlamentear e torna ele um grande vereador de causas nacionais", diz Simone.

Outro ponto polêmico da proposta é a criação de um fundo, regado com dinheiro público, para financiar as campanhas. "É uma aberração ser público, pois seria um tapa na cara da população", dispara Simone.

"Entendo que o financiamento deveria ser privado, com regras bem definidas", complementa Tereza Cristina.

Tereza Cristina defende agilidade na aprovação da reforma. (Foto: João Paulo Gonçalves)Tereza Cristina defende agilidade na aprovação da reforma. (Foto: João Paulo Gonçalves)
Governo tenta retomar reforma da Previdência
O governo pretende intensificar nesta semana as negociações com os parlamentares para retomar a votação da reforma da Previdência. A intenção é dar s...
Evento da FNL debate retomada da reforma agrária em MS nesta sexta
Acontece nesta sexta-feira (18) em Campo Grande o 1º Encontro Estadual da Frente Nacional de Lutas de Mato Grosso do Sul, que será realizado na sede ...
Sem consenso, Câmara adia votação da reforma política
Sem consenso e diante de muita polêmica, o plenário da Câmara dos Deputados adiou na noite desta quarta-feira (16) a votação do texto-base de parte d...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions