A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

20/10/2015 23:53

Bancada propõe R$ 1,48 bilhão em emendas; Moka prevê liberação de no máximo 30%

Flávio Paes
Bancada federal definiu emendas coletivas para 2016(Foto:Arquivo)Bancada federal definiu emendas coletivas para 2016(Foto:Arquivo)

Embora tenha apresentado R$ 1,4 bilhão em emendas coletivas ao orçamento da União de 2016, a expectativa mais otimista é de que no máximo 30% destes recursos de fato sejam liberados. O prazo de entrega dos relatórios estaduais terminou às 21 horas desta terça-feira.

De acordo com o coordenador da bancada, senador Waldemir Moka (PMDB), as emendas foram fechadas de forma consensual entre os 11 parlamentares sul-mato-grossenses (três senadores e oito deputados federais), após três reuniões em Brasília. Moka destaca promessa do governador Reinaldo Azambuja de dobrar os investimentos.

“Houve consenso de que obras e projetos em andamento devem ser atendidos, até que fiquem prontos. E depois entendemos que a saúde é uma área que precisamos dar atenção especial. Também se discutiu a necessidade de atendemos a projetos de pavimentação de trechos de rodovias no Estado. O governador compromete-se a aplicar um real para cada real investido em verba federal”, justificou.

O líder da bancada explica que o valor solicitado deverá sofrer cortes expressivos nas relatorias de cada área. Moka estima que o montante a ser destinado ao Estado, de R$ 1,48 bilhão, não deve chegar a 30%. “Estimamos valores bem altos para que os cortes não afetem totalmente os projetos. Se pedirmos valor baixo, aí o que sobrará não dará nem para iniciar a obra contemplada”, argumenta.

Moka alerta que, mesmo com o valor reduzido, o governo federal não tem liberado recursos provenientes de emendas coletivas. A bancada tem sido contemplada nas chamadas emendas individuais em que cada parlamentar pode destinar R$ 15,3 milhões para os municípios. “O que tem salvado são as emendas individuais. Sem elas, não teríamos como atender aos prefeitos com montante mínimo de recursos”, diz.

Reforma da Previdência deve ser votada na semana que vem, diz Meirelles
A reforma da Previdência deve ser votada na semana que vem, de acordo com o ministro da Fazenda Henrique Meirelles. A declaração foi dada na noite de...
Quanto mais reforma demorar, mais dura será correção, diz ministro
Caso o governo não consiga aprovar a reforma da Previdência ainda este ano, conseguirá em 2018, disse hoje (11) o ministro do Planejamento, Dyogo Oli...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions