A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

13/08/2015 09:41

Câmara votará cinco vezes pedido para criar Processante contra prefeito

Edivaldo Bitencourt e Antonio Marques
Manifestantes protestam contra os vereadores em ato na Câmara (Foto: Fernando Antunes)Manifestantes protestam contra os vereadores em ato na Câmara (Foto: Fernando Antunes)

A Câmara Municipal de Campo Grande votará, na manhã desta quinta-feira (13), cinco vezes o pedido para instalar a Comissão Processante contra o prefeito Gilmar Olarte (PP). Nos bastidores, a comissão, que pode levar à cassação do mandato, deve ser criada com o apoio de 20 dos 29 vereadores em pelo menos um item.

Com segurança reforçada e com o plenário lotado de manifestantes, contra e a favor de Olarte, os vereadores vão começar a sessão com o pequeno expediente. O pedido de afastamento em decorrência da decisão do Tribunal de Justiça não deve ser votado hoje.

Em seguida, o presidente da Casa, vereador Mario Cesar Oliveira (PMDB), abre a ordem do dia, que só deve analisar o pedido para criar a Comissão Processante. O pedido foi feito pelos vereadores Marcos Alex e Thaís Helena, do PT, e Luiza Ribeiro (PPS).

Como eles apontaram cinco pontos, os vereadores vão votar cada item: se acatam ou não o pedido para criar a Comissão Processante.

O primeiro item é sobre o não cumprimento da lei municipal que prevê o pagamento do piso nacional para jornada de 20 horas aos professores. Olarte não cumpriu a decisão ao não repassar o reajuste de 13,01% em janeiro deste ano.
O segundo é o descumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal, que prevê um percentual mínimo de gasto com pessoal.

O terceiro é a denúncia por corrupção passiva e lavagem de dinheiro contra o prefeito, que foi feita pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) e aceita pela Seção Criminal do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul.

O quarto item é a viagem feita pelo prefeito no jatinho do empresário João Amorim, dono da Proteco, para Brasília. Agora, a empresa é alvo da Operação Lama Asfáltica, da Polícia Federal.

O quinto é o excesso de cargos comissionados criados na atual gestão.

O vereador Paulo Pedra prevê que os vereadores devem aceitar de três a quatro dos cinco itens. Na manhã de hoje, o prefeito da Capital afirmou a Comissão Processante será a oportunidade de provar sua inocência e abrir a cortina da política.

Para aprovar a comissão, é necessário o apoio de dois terços, 20 dos 29 vereadores.


Temer diz que adiamento da reforma da Previdência foi 'ótimo' para ganhar votos
O presidente Michel Temer procurou mostrar otimismo ao falar sobre a reforma da Previdência ao dar posse ao deputado federal Carlos Marun (PMDB-MS) c...
Diretor da PF entrega ao STF relatório de investigação sobre ministros
O diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segóvia, entregou hoje (15) à ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), um re...
TRE realiza plantão para cadastramento biométrico neste sábado na Capital
O TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul) realiza neste sábado mais um plantão para atender eleitores de Campo Grande que ainda nã...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions