A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

08/12/2015 09:32

Defesa recorre ao Supremo com pedido de liberdade para Bumlai

André Richter - Repórter da Agência Brasil
A defesa de José Carlos Bumlai deu entrada ontem no STF com novo pedido de liberdade (Foto: Arquivo)A defesa de José Carlos Bumlai deu entrada ontem no STF com novo pedido de liberdade (Foto: Arquivo)

A defesa do empresário José Carlos Bumlai deu entrada ontem (7) no Supremo Tribunal Federal (STF) com novo pedido de liberdade. Bumlai foi preso no dia 24 de novembro durante a Operação Passe Livre, 21ª fase da Lava Jato, por determinação do juiz federal Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal em Curitiba. O habbeas corpus será analisado pelo ministro Teori Zavascki, relator dos processos decorrentes da operação.

Na petição, a defesa de Bumlai alega que a prisão é ilegal, por não demonstrar provas contra ele. “Sabemos que Vossas Excelências serão criticados, contestados, massacrados publicamente ao aplicar o direito e o entendimento consolidado do tribunal. Ninguém, nem mesmo as instâncias inferiores, entenderá que não é um atentado, mas defesa do Estado de Direito soltar alguém que não tem motivo para ficar preso preventivamente.”

De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), Bumlai usou contratos firmados com a Petrobras para quitar empréstimos com o Banco Schahin. Segundo procuradores que atuam no processo, depoimentos de investigados que assinaram acordos de delação premiada indicam que o empréstimo se destinava ao PT e foi pago mediante a contratação da Schahin como operadora do navio-sonda Vitória 10.000, da Petrobras, em 2009.

Conforme Sérgio Moro, há indícios de que Bumlai também usou indevidamente o nome de Lula para obter vantagens. Em depoimento à Polícia Federal após ser preso, o empresário negou que os valores oriundos de um empréstimo do Banco Schahin tenham sido repassados ao PT.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions