ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, SEGUNDA  20    CAMPO GRANDE 23º

Política

Governo quer transferir gestão de hospitais regionais para organizações sociais

Unidades de saúde de Três Lagoas e Dourados podem passar a ter outra administração se Assembleia aprovar texto

Por Gabriela Couto | 14/09/2021 12:08
Governador Reinaldo Azmabuja (PSDB) explicou projetos para os deputados estaduais na manhã desta terça-feira (14), na Assembleia Legislativa. (Foto: Marcos Maluf)
Governador Reinaldo Azmabuja (PSDB) explicou projetos para os deputados estaduais na manhã desta terça-feira (14), na Assembleia Legislativa. (Foto: Marcos Maluf)

Está nas mãos dos deputados estaduais, o Projeto de Lei 35/2021, que altera a lei que trata das Organizações Sociais. A ideia é transferir os hospitais regionais de Três Lagoas e Dourados para esse tipo de gestão.

“A proposta originou-se da necessidade de aprimoramento da Lei nº 4.698, de 20 de julho de 2015, a qual dispõe sobre a regulamentação dos requisitos para qualificação das pessoas jurídicas de direito privado, sem fins lucrativos, em organizações sociais, cujas atividades sejam dirigidas à pesquisa científica, ao desenvolvimento tecnológico, à proteção e à preservação do meio ambiente, à cultura, à saúde, à assistência social e ao atendimento à produção e à agricultura familiar, com o objetivo de estabelecer parceria para a prestação dos serviços públicos afetos às áreas retromencionadas”, justifica governador Reinado Azambuja.

Segundo a proposta, após seis anos da sanção, foi constatado que alguns dispositivos da lei em questão necessitam de aprimoramento redacional, visando a segurança e o atendimento às exigências dos órgãos de controle externo. Também deve ser alterado o texto, garantindo a proibição de contratos com organizações que estão com as contas rejeitas por municípios e pelo Estado, nos últimos cinco anos.

O deputado estadual Pedro Kemp (PT) criticou a proposta do governo. “As empresas assumem a um custo elevado e acompanhamos notícias de muitas vezes até ter desvio de recursos, a exemplo de Ponta Porã, com processos de irregularidades. Temos essa preocupação, mas é claro que é uma decisão do Governo, que tem competência para fazer esse tipo de contratação, mas nós aqui, na Alems, temos o dever de acompanhar e fiscalizar as ações do Governo. Sou defensor da administração direta do Estado, por ser um sistema essencial e a pandemia mostrou o quão é importante o serviço de Saúde”, explicou o petista.

Vale destacar que o projeto é fundamental para o novo modelo de funcionamento da Caravana da Saúde, que irá realizar serviços de alta complexidade em relação a exames e cirurgias no Estado neste ano.

“Nós estamos contratando por credenciamento todas as clínicas que fazem diagnóstico e estamos pagando valor para prestarem esse serviço para a regulação. Em consequência disso, teremos as cirurgias. Serão R$ 100 milhões para zerar a fila de espera e faremos a regulação, que será de trás pra frente, do mais antigo na fila para o mais novo. Esperamos que em 10 meses, a gente possa zerar a fila”, afirmou o governador Reinaldo Azambuja.

O texto tramita na Assembleia Legislativa, em regime de urgência e a expectativa é que em no máximo 15 dias, seja votado e devolvido para o Executivo. Neste momento, as comissões trabalham para acelerar os projetos que chegaram hoje (14), na Casa de Leis.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário