ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, QUARTA  23    CAMPO GRANDE 21º

Política

Marun diz que aliança com tucanos só se candidato for do MDB

Ministro disse em Dourados que seu partido terá candidato ao governo de MS e vê pouca chance de uma aliança com PSDB

Por Helio de Freitas, de Dourados | 23/03/2018 13:58
Carlos Marun ao lado de Geraldo Resende, Waldemir Moka e Délia Razuk, hoje em Dourados (Foto: Helio de Freitas)
Carlos Marun ao lado de Geraldo Resende, Waldemir Moka e Délia Razuk, hoje em Dourados (Foto: Helio de Freitas)

O ministro da Secretaria de Governo Carlos Marun disse hoje (23) que existe “possibilidade quase zero” de uma aliança do seu partido, o MDB, com o PSDB para a disputa do governo de Mato Grosso do Sul. A declaração foi feita em Dourados, a 233 km de Dourados.

“Eu vejo com ceticismo essa possibilidade, porque nós teremos candidato. Se o PSDB estiver avaliando nos apoiar, de compor a chapa e apoiar André Puccinelli para o governo é possível essa aliança. Em outra situação essa aliança é impossível”, declarou o ministro.

Junto com o senador Waldemir Moka (MDB), ele participou em Dourados de uma reunião sobre a instalação de um centro de diagnóstico avançado do Hospital do Câncer de Barretos (SP) na segunda maior cidade de Mato Grosso do Sul. “Nós vamos ter candidato, não sei se o PSDB está avaliando a possibilidade de nos apoiar”.

Aliança – A posição de Carlos Marun contrasta com a ideia do líder do MDB na Assembleia Legislativa, deputado Eduardo Rocha, que na terça-feira (20) defendeu a aliança história de seu partido com o PSDB.

Segundo ele, a parceria seria mais interessante para os candidatos a deputado estadual, já que ambas as siglas ganhariam mais força política. Entretanto, reconheceu ser difícil resgatar a dobradinha nesta eleição, já que MDB e PSDB não estão dispostos a abrir mão de candidatura própria.

Na quarta-feira (21), o governador Reinaldo Azambuja admitiu que o PSDB mantém conversas com o MDB e disse que, entre junho e julho, podem ocorrer "surpresas" em relação às candidaturas. "O PSDB conversa sim com o MDB, mas acredito que junho ou julho poderemos ter surpresa nas candidaturas".

Segurança – Carlos Marun também rebateu críticas do governador Reinaldo Azambuja à ausência do governo federal na defesa da fronteira de Mato Grosso do Sul com o Paraguai, por onde passa a maior parte da droga consumida no país e boa parte das armas e munições destinadas às facções criminosas.

“Se o Renaldo criticou duramente o governo por causa da segurança ele errou, porque nós temos hoje um governo disposto a fazer. Em breve teremos uma atuação mais forte do Ministério da Segurança Pública nas fronteiras”, afirmou Marun, sem precisar, no entanto, um prazo para o início dessas ações.