A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 11 de Dezembro de 2018

04/08/2018 17:42

MS termina sábado com 5 candidatos ao governo e previsão de 9 a senador

Sergio Harfouche recua e leva PSC para aliança com o MDB e tucanos confirmam chapa com 14 partidos; Psol finaliza indicações no domingo

Humberto Marques
Palanque de Reinaldo já tem vice, dois candidatos a senador indicados e lista de 14 partidos aliados. (Foto: Fernando Antunes)Palanque de Reinaldo já tem vice, dois candidatos a senador indicados e lista de 14 partidos aliados. (Foto: Fernando Antunes)

Encerradas as convenções partidárias e reuniões de Executivas estaduais marcadas para este sábado (4), o cenário eleitoral em Mato Grosso do Sul acabou restrito a seis candidaturas ao governo estadual e, pelo menos, nove concorrentes ao Senado –número que poderia chegar a 12, conforme projeções das agremiações. Na disputa por coligações, o PSDB se saiu melhor ao somar 14 partidos em torno da reeleição do governador Reinaldo Azambuja.

Já a formação das chapas proporcionais aguarda, agora, entendimentos entre aliados em coligações a fim de designar nomes que atendam aos limites máximos legais e a representatividade feminina.

A expectativa é de que até domingo (5) ou segunda-feira (6) todas as relações sejam finalizadas e registradas até 15 de agosto no TRE (Tribunal Regional Eleitoral). No dia 16 está autorizado o início oficial da campanha.

A manhã de convenções começou agitada e com uma desistência: alegando determinações vindas da cúpula nacional do PSC, Sergio Harfouche acatou orientação e desistiu tanto de seu projeto pessoal (disputar o Senado) como o aclamado pelo Diretório Regional (concorrer ao governo). Por volta das 10h ele foi confirmado vice na chapa a ser encabeçada pela senadora Simone Tebet (MDB).

A emedebista passou o dia anterior ao das convenções em reuniões com correligionários e aliados, a fim de afastar boatos de que havia desistido da disputa na qual entrou depois da prisão do ex-governador André Puccinelli –durante a Operação Papiros de Lama, braço da Lama Asfáltica que apura o uso de uma empresa para recebimento de propinas e ocultação de bens. A troca foi apontada por alguns partidos que avaliavam fazer parte da aliança para optarem pelo PSDB, casos do Avante, PMN e Patriota.

A chapa de Simone conta ainda com o senador Waldemir Moka (MDB), que tentará a reeleição. Não havia informações de que os emedebistas indicariam um segundo candidato até o fechamento esta matéria. Além de MDB e PSC, integram a chapa o PR, PTC, PHS, PRTB, DC e PRP.

Harfouche e Simone: nome do PSC desistiu de concorrer ao Senado e governo e fechou apoio ao MDB. (Foto: Marina Pacheco)Harfouche e Simone: nome do PSC desistiu de concorrer ao Senado e governo e fechou apoio ao MDB. (Foto: Marina Pacheco)

14 aliados – Depois de receber apoio formal do PSB e compromisso de aliança do PSD, o PSDB viu ao longo do sábado uma série de partidos confirmarem a presença nas coligações. Dentre os apoios, o DEM foi o mais intrincado: o partido recebera proposta para indicar o vice na chapa tucana, o que enfrentava resistências dos deputados federais do partido, preocupados com os arranjos na disputa pela reeleição à Câmara Federal.

Os democratas indicaram seu presidente regional, o ex-prefeito de Dourados Murilo Zauith, para a vice de Reinaldo. Ao Senado, o ex-prefeito Nelsinho Trad (PTB) já confirmou os suplentes: o Pastor Antônio Dionizio (PSB) e o empresário José Chagas (DEM). O engenheiro civil Marcelo Miglioli viu os esforços dos últimos meses se confirmarem na confirmação de sua candidatura a senador –os suplentes ainda não foram anunciados.

O arco de alianças ao redor de Reinaldo somou 14 partidos –PSDB, DEM, PSD, PTB, PSB, PPS, Solidariedade, Patriota, Avante, Pros, PMN, PSL, PMB e PP– sendo necessária sua distribuição em duas chapas para a Câmara dos Deputados e três à Assembleia Legislativa (conforme plano que vinha sendo discutido até então).

Partidos maiores e com candidatos considerados de maior densidade (como PSDB, DEM e PSD) ficariam em um agrupamento, com as demais legendas em um segundo grupo na disputa pela Câmara. Para a Assembleia, seria formada ainda uma terceira chapa reunindo os aliados de última hora.

As alianças também colocaram dúvidas sobre as candidaturas de PSL e PMB ao Senado –já que apenas dois nomes devem ser mantidos pela chapa na coligação majoritária. A reportagem não conseguiu confirmar com os partidos como tal impasse seria resolvido. Dorival Betini, presidente do PMB e pleiteante ao cargo, afirmara que haveria a possibilidade de seu nome ser lançado ao posto sem coligação formalizada com o PSDB.

Bispa Adriana e Bispo Marcos: indicações da região de Dourados e do segmento evangélico para composição entre PRB e PDT. (Foto: Mirian Machado)Bispa Adriana e Bispo Marcos: indicações da região de Dourados e do segmento evangélico para composição entre PRB e PDT. (Foto: Mirian Machado)

Composições – Depois de uma semana turbulenta, o PDT de Odilon de Oliveira –que havia realizado em 21 de julho sua convenção, na qual aprovou aval para a Executiva continuar a realizar negociações– realizou reunião neste sábado confirmando que o último aliado, o PRB, chegou com direito a mais espaços. Além de emplacar a candidatura à reeleição do senador Pedro Chaves, o partido indicou a suplência deste e o vice de Odilon.

Os nomes, porém, não haviam sido oficializados neste sábado. A escolha ficou restrita a um casal de pastores da Igreja Sara Nossa Terra: o bispo Marcos Camargo Vitor e sua mulher, a também bispa Adriana Lagemann Camargo Vitor –que acabou escolhida pelo PRB para a vice.

Marcos é presidente do Conselho de Bispos de Dourados. A presença do casal na chapa espera agregar o peso dos evangélicos à candidatura de Odilon, bem como votos da região sul do Estado.

PDT e PRB tem o apoio do Podemos, que viu Chico Maia desistir da disputa eleitoral e vai indicar Humberto Figueiró para outra suplência de Chaves. Os três partidos trabalham para lançarem chapas completas à Câmara Federal e Assembleia. O Pros, que indicou Keliana Fernandes para a vice de Odilon, deixou a aliança e se alinhou ao PSDB.

Verdes – Sob o nome “O nosso movimento é por mudança”, PV, Rede e PC do B anunciaram a candidatura ao governo de Marcelo Bluma, presidente regional dos Verdes.

Convenção do PV confirmou aliança com Rede e PC do B e candidatura de Bluma. (Foto: Eliene Smith/Divulgação)Convenção do PV confirmou aliança com Rede e PC do B e candidatura de Bluma. (Foto: Eliene Smith/Divulgação)

A vice será a professora Ana Maria Bernadelli (Rede), com o presidente regional do PC do B, Mario Cesar Fonseca, disputando o Senado. O nome do suplente não foi informado. Juntos, os partidos prometem ter 16 candidatos a deputado federal e 48 a estadual.

Neste domingo (5), o Psol realiza sua convenção em Campo Grande a fim de confirmar a candidatura do advogado João Alfredo ao governo. Na ocasião, também serão anunciados também o vice, candidato ao Senado e a lista de candidatos a deputados federal e estadual.

Até este sábado, o PT havia realizado sua convenção e anunciado chapa pura, com a candidatura ao governo do Estado do ex-prefeito de Mundo Novo, Humberto Amaducci, da advogada Luciene Silva como vice e do deputado federal Zeca do PT ao Senado. O partido ainda indicou 16 candidatos a deputado federal e 33 a estadual.

As eleições de Mato Grosso do Sul ainda serão disputadas pelo PPL, que concorrerá com o advogado Thiago Freitas ao Senado e chapa com oito candidatos à Câmara dos Deputados; e o Novo, que concorrerá com apenas cinco nomes para deputado federal.

Confira candidaturas ao governo aprovadas até este sábadoConfira candidaturas ao governo aprovadas até este sábado


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions