A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 19 de Agosto de 2017

26/11/2013 12:50

Paulo Pedra diz que índios e produtores são igualmente brasileiros

Luciana Brazil e Kleber Clajus
Presidente da Acrissul ocupa tribuna para falar sobre conflitos de terra no Estado. (Foto:Marcos Ermínio)Presidente da Acrissul ocupa tribuna para falar sobre conflitos de terra no Estado. (Foto:Marcos Ermínio)

O vereador Paulo Pedra (PDT) questionou, na manhã de hoje (26), durante a sessão da Câmara de Vereadores, em Campo Grande, o uso adequado das terras indígenas em Mato Grosso do Sul. O parlamentar afirmou que indígenas e produtores são igualmente brasileiros.

“Quem é mais brasileiro? O índio não é mais brasileiro do que eu e eu não sou mais brasileiro do que índio”, disparou.

Pedra questionou o uso das terras indígenas. “Não gostaria de ver uma terra que produz sendo dada ao povo indígena. Essas terras indígenas estão sendo usadas adequadamente?”.

Os conflitos no Estado, envolvendo produtores e índios, foram motivo de discussão na Casa de Leis. Ocupando a tribuna, o presidente da Acrissul (Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul), Chico Maia, afirmou que 20 áreas já foram invadidas no Estado.

Segundo ele, o que tem travado a pacificação são, justamente, as próprias invasões. “Se eles (índios) voltarem atrás, poderemos voltar à mesa de negociação”.

Para o vereador Carlão, (PSB) os índios são responsáveis pela situação de violência nos conflitos. “Quem está criando a violência são os índios. Tem muita demagogia e política em cima da questão indígena”, disparou.

A vereadora Juliana Zorzo (PSC), proponente de uma audiência pública sobre paz no campo, que será realizada no dia 5 de dezembro, engrossou o discurso de pacificação dizendo que os erros não podem ser cometidos novamente. 

“Não podemos deixar que erros do passado continuem acontecendo hoje”.

Conforme o vereador Zeca (PT), "quem tem culpa neste conflito é o Estado que titulou terras que eram indígenas”.

O presidente da Acrissul disse que a questão “é delicada e complexa”. Em discurso na tribuna, Maia citou o relatório da Polícia Federal, onde, segundo ele, são apontados indícios de violência por parte dos índios durante reintegração de posse da Fazenda Buriti, em Sidrolândia.

“Somos atacados por uma verdadeira guerrilha com ação de milícia. Deram tiro na Polícia Federal e na Polícia Militar. Como vamos receber essas pessoas na propriedade, com óperas e flores?”, ironizou.

Zeca criticou o leilão de resistência planejado pelos produtores que pretendem arrecadar dinheiro para garantir segurança. “Querem cravar uma milícia popular se armar para os fazendeiros defenderem suas terras”.

Chico rebateu a ofensiva e disse que, na verdade, os fazendeiros querem é arrecadara recursos para criar “um grupo de resistência que é um direito quando não se encontra as forças do estado para se proteger”.

“Não queremos partidarizar, mas queremos fazer esforço em busca de uma solução. Peçam aos índios que desocupem as áreas para voltarmos à mesa de negociação”.

Até a audiência, o vereador Zeca espera que o representante do povos indígenas também seja ouvido pelo plenário “para que tudo possa ser imparcial”.

Câmara vai homenagear 84 pessoas em sessão do aniversário de 118 anos
A Câmara Municipal de Campo Grande vai homenagear 84 pessoas em sessão solene na próxima quarta-feira (dia 23). Na ocasião, a partir das 19h, serão ...
Moreira Franco: MP das Rodovias dará segurança jurídica e resolverá problemas
O ministro da Secretaria Geral da Presidência, Moreira Franco, afirmou que a MP das Rodovias vai garantir condições de investimento nas concessões at...
Puccineli diz que é candidato a presidente do partido em MS se for consenso
Só se for sem disputa. É assim que o ex-governador de Mato Grosso do Sul, André Puccinelli (PMDB), quer disputar o comando da legenda no Estado, nas ...



Sou a favor das questões humanitárias devemos ser justos com os indignas sim, os índios tem como objetivo sociológico defender as questões relacionadas a natureza, na minha opinião deveria se criar em MS uma reserva indigna no centro do Pantanal Sul Mato-grossense, para que eles pudessem defender a fauna e flora desses complexo, e a Funai seria responsável por fornecer a eles todos as condições de vida necessárias, inclusive enviando técnicos que só ficam sentados em suas salas com ar condicionado para lá, e cuidar dos indignas, eles teriam liberdade, ficariam em seu ambiente natural, sem a interferência das ações dos homens não indigna.
 
darlene celestina de oliveira em 27/11/2013 08:39:29
Vale lembrar o pronunciamento do vereador Saraiva que, nesta linha, chamou a atenção dos presentes para a origem do armamento indígena. Quem fornece arma aos indígenas, quem fornece camionetes para o transporte nas invasões? Quem, ou qual instituição mais deveria ser chamada à responsabilidade?
 
Mônica Corrêa em 26/11/2013 13:40:32
Seria muito bom se os vereadores não se envolvessem neste episódio de indios e invasão de terras. Esta é uma encrenca que não termina nunca.
Os vereadores tem mais o que fazer em benefício do povo em geral, eles não tem que se preocuparem com fazendeiros.
Se os vereadores se envolverem neste episódio, passarão o resto dos seus mandatos "ocupados" , e não chegarão à nenhuma conclusão.
Deixem esta encrenca para a Funai, para a polícia, para o Ministério da justiça.
 
VALDIR VILLA NOVA em 26/11/2013 13:39:52
Paulo... não estou sendo bem representado por vc... aguardo proximas eleições...
 
Joaquim Silva em 26/11/2013 13:26:12
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions