ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, SÁBADO  24    CAMPO GRANDE 29º

Política

STJ muda regras do foro privilegiado para governadores e conselheiros de TCEs

Corte Especial seguiu julgamento do STF em relação ao benefício para congressistas e limitou foro a fatos ocorridos no exercício dos mandatos

Humberto Marques | 20/06/2018 17:33
STJ restringiu nesta quarta-feira foro privilegiado de governadores e conselheiros. (Foto: STJ/Divulgação)
STJ restringiu nesta quarta-feira foro privilegiado de governadores e conselheiros. (Foto: STJ/Divulgação)

A Corte Especial do STJ (Superior Tribunal de Justiça) decidiu, no fim da tarde desta quarta-feira (20), alterar as regras que regem o foro privilegiado para governadores e Tribunais de Contas estaduais. Agora, só terão a prerrogativa de foro os processos que ocorrerem durante o mandato e que tenham relação com o cargo exercido.

A medida segue os moldes de recente julgamento no STF (Supremo Tribunal Federal) que alterou o foro privilegiado de deputados federais e senadores –deixando de fora membros do Judiciário, por exemplo, o que gerou críticas.

Pelas novas normas, atos cometidos ou atribuídos ao governador ou conselheiro do TCE anteriores ao início do exercício do cargo terão trâmite normal, isto é, a primeira instância –com juízes das varas competentes. Até então, essas autoridades tinham seus casos automaticamente remetidos ao STJ.

A medida, segundo o UOL, foi adotada a partir de questão de ordem em uma ação envolvendo conselheiro do Tribunal de Contas do Distrito Federal. O debate ocupou três sessões da Corte, sendo definido pelo placar de 8 votos a 2. Depois, foi feita uma avaliação rápida sobre a mesma situação em relação aos governadores, decidindo-se por unanimidade seguir a mesma fórmula.

A decisão acaba referendando decisão tomada pelo ministro Luis Felipe Salomão, que em maio remeteu para o Judiciário da Paraíba denúncia contra o governador Ricardo Coutinho. O magistrado alegou o princípio da simetria com o STF, já que as acusações remetiam a fatos anteriores ao mandato de Coutinho.

Nos siga no Google Notícias