ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, TERÇA  16    CAMPO GRANDE 24º

Política

Marun critica “seletividade” em decisão do STF sobre foro privilegiado

Ministro afirma que Supremo deveria ter estendido restrição de prerrogativa a outras autoridades, inclusive do Judiciário

Humberto Marques e Anahi Gurgel | 04/05/2018 15:49
Marun disse que, com restrição ao fim do foro privilegiado, não vê nada "moralizante" em decisão do STF. (Foto: Paulo Francis)
Marun disse que, com restrição ao fim do foro privilegiado, não vê nada "moralizante" em decisão do STF. (Foto: Paulo Francis)

O ministro da Secretaria de Governo da Presidência da República, Carlos Marun, criticou nesta sexta-feira (4) a decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) que, por unanimidade, restringiu a aplicação do foro privilegiado a deputados federais e senadores. Segundo ele, a medida –que permitirá aos parlamentares terem casos julgados na Corte Superior apenas se houver conexão com o exercício da função pública e durante o mandato– deveria se estender a outras autoridades, incluindo do próprio Judiciário.

“É uma decisão que vem com uma inexplicável seletividade. Se vamos acabar com o foro privilegiado, vamos acabar para todos”, afirmou Marun em Campo Grande, onde participa de seminário na sede da OAB-MS (Ordem dos Advogados do Brasil-Seccional de Mato Grosso do Sul) que disputa mudanças na Lei de Licitações.

O ministro, que é deputado federal licenciado, questionou o porquê de o Poder Judiciário ter preservado o foro privilegiado, ao passo que os parlamentares terão denúncias contra eles relativas a atos alheios ao mandato processadas na primeira instância –como outros brasileiros. “Não vejo nada de moralizante nessa medida”, pontuou Marun, que espera a aprovação de uma proposta no Congresso Nacional que possa reduzir o alcance do foro privilegiado e disse não saber avaliar até onde o julgamento do STF foi positivo.

“Não sei avaliar se é um avanço porque, quando se começa a fazer essa seletividade, muitas vezes se é aplaudido pelos mal-informados, mas na verdade os resultados alcançados não são positivos”, complementou o ministro.

Decisão do STF foi decretada por unanimidade. (Foto: Antônio Cruz/Agência Brasil)
Decisão do STF foi decretada por unanimidade. (Foto: Antônio Cruz/Agência Brasil)

Críticas – Embora aprovada por unanimidade, a restrição ao alcance do foro privilegiado não foi consensual: o relatório do ministro Luiz Roberto Barroso acabou aprovado por 7 votos a 4, prevendo a aplicação das novas regras apenas aos fatos relativos ao mandato parlamentar. Apontamento do também ministro Dias Toffoli, que previa a extensão da medida a outras autoridades com prerrogativa de foro, não obteve consenso e ficou fora do debate.

Tal questão dividiu advogados e políticos. Especialistas ouvidos pelo Campo Grande News apontam que a medida ajudará a reduzir o estoque de processos do STF, bem como dará uma nova oportunidade de defesa para os parlamentares investigados.

Por outro lado, a exclusão de outras autoridades foi atacada pelo presidente da OAB-MS, Mansour Karmouche, que viu a perda de uma oportunidade por parte do Supremo, e pelo deputado federal e advogado Fábio Trad (PSD), segundo quem os efeitos práticos da decisão atingem apenas 1% das autoridades com a prerrogativa de foro.

Fábio ainda disse que uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que tramita desde 2017 extingue o foro privilegiado a outras autoridades. Contudo, em razão da intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro, o Congresso está constitucionalmente proibido de aprovar PECs –tal fato já havia tirado da pauta da reforma da previdência.

Nos siga no Google Notícias