A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 16 de Outubro de 2017

25/05/2017 08:15

Agronegócio prevê melhoras para o 2º semestre após crises seguidas

Priscilla Peres
Durante dois dias pessoas ligadas ao setor debateram sobre o agronegócio. (Foto: Divulgação/Agro A)Durante dois dias pessoas ligadas ao setor debateram sobre o agronegócio. (Foto: Divulgação/Agro A)

O primeiro semestre de 2017 não têm sido fácil para agronegócio brasileiro, com crises que aumentam custo de derrubam a margem de lucro do produtor. Mas, analistas da área acreditam em estabilidade ou leves melhoraras.

Em ano onde a Operação Carne Fraca colocou em xeque a qualidade da carne brasileira e a delação da JBS desestabilizou a política, as consequências são sentidas por quem espera melhora nos preços para vender, principalmente da arroba.

Durante o Confirnar 2017, que terminou ontem em Campo Grande, o analista sênior do Rabobank Brasil, Adolfo Fontes, disse que é preciso analisar do ponto de vista de uma produção mais intensificada. "Então teremos oportunidades boas para travar custos em um patamar muito baixo. Nesse momento é necessário dividir a estratégia de venda em alguns cenários possíveis, de curto, médio e longo prazo”, esclarece o palestrante.

Segundo o organizador do Confinar 2017 e pecuarista, Rodrigo Spengler, apesar da situação frágil em que se encontra a pecuária, o objetivo do evento foi alcançado. “Conhecemos possíveis impactos negativos do cenário brasileiro sobre toda a cadeia pecuária. E são nesses momento que mais precisamos de tecnologia para inverter o quadro e atingirmos maior nível técnico da porteira para dentro”, avalia.

Consumo - Com o consumo de carne no mercado interno em queda, a previsão é que registros positivos como os alcançados em 2014, segundo o analista, só em 2019.
“Tudo indicava para que pudéssemos crescer o consumo interno no segundo semestre, que corresponde a 80% da nossa produção, portanto, uma grande importância na formação de preços”, explica Fontes ao afirmar que as novas crises voltaram a desestabilizar o setor.

Apesar da queda do preço do boi gordo, mantivemos uma margem positiva. Mas em 2018, o cenário será ainda melhor. E para chegar até lá, ele indica o uso de ferramentas que possam travar a receita do pecuaristas, focando na margem e dividindo estratégias, não só pensando a curto prazo.

“Ferramentas como bolsa de valores e bancos podem nos auxiliar no travamento da receita. Quanto às estratégias, precisamos lembrar que o gado que compramos hoje, será comercializado daqui seis meses ou um ano, de acordo com o sistema em que se está trabalhando, e isso fazer parte das contas”, detalha.

O Confinar, simpósio de gado de corte, promovido pela BeefTec, reuniu cerca de 1.300 pessoas, entre visitantes e inscritos, técnicos, pecuaristas e estudantes, brasileiros e de países vizinhos, entre os dias 23 e 24, em Campo Grande.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions