A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Outubro de 2019

13/01/2015 08:58

A minha Bagdá era a do distante califa Harun-al-Rashid

Por Raquel Naveira (*)

Guardo com carinho a coleção de livros de Malba Tahan, as capas desgastadas cor-de-vinho com letras brancas. Neles sorvi o amor pela raça oriental.

Malba Tahan era na verdade o heterônimo do professor Júlio César de Melo e Sousa, escritor, matemático, personalidade original e imaginativa. Estudou a fundo aspectos da cultura árabe. Propôs a Irineu Marinho, dono do jornal carioca “A Noite”, escrever uma série de contos que lembravam as narrativas das Mil e Uma Noites. Foi um sucesso. Nascia assim o personagem Malba Tahan.

Júlio César criou uma biografia para Malba Tahan. Teria vivido em Meca, depois de haver permanecido doze anos em Manchester, onde o pai era vendedor de vinhos. Visitou a Rússia, a Pérsia, a Índia e, finalmente, o Brasil, sempre observando os costumes dos povos.

O professor Júlio César inventou também a existência de um tradutor de Malba Tahan para o português, Breno Alencar Branco, conhecedor profundo de poesia, de vocábulos e expressões árabes.

Graças a Malba Tahan, meu universo de criança foi povoado de sultões, odaliscas, princesas, caravanas, dijins, homens de turbantes cinzentos seguindo luzes azuis.

Caminhei com ele por uma Bagdá que nada tem a ver com sublevações, com o ditador Saddam Hussein, a Guerra do Golfo, o uso das armas químicas, a guerra civil que ceifou milhares de vidas. A minha Bagdá era a do distante califa Harun-al-Rashid, época marcada pela prosperidade científica, cultural e religiosa no Islã. A Bagdá lendária da biblioteca “Casa da Sabedoria”, das histórias fantásticas narradas por Sherazade. A Bagdá suntuosa, florescendo como joia entre oásis e palmeiras, a mais esplêndida cidade do mundo.

As lendas do deserto me fascinaram com seus magos, beduínos, cheiques, mercadores de lâmpadas, espelhos, recompensas e tesouros vindos das mãos de Allah. Percorria as páginas com alegria, vendo brilhar ensinamentos e estrelas maravilhosas.

O célebre O Homem que Calculava, com seus problemas e curiosidades matemáticas em forma de narrativa das aventuras de um calculista persa, chamou-me a atenção para um misto de lógica e mistério que há nos números.

E não é que o beduíno/poeta/professor Júlio César, o próprio Malba Tahan em pessoa, apareceu certa vez na minha cidade, a descampada Campo Grande, no sul de Mato Grosso? Deu uma palestra concorrida no Rádio Clube. Eu era adolescente, uns doze ou treze anos talvez, e estava enfeitiçada, andando nas nuvens num tapete persa. Terminada a palestra, fomos apresentados. Ele pegou minhas mãos que tremiam e disse: “ - Vejo que você é uma menina muito sensível. Tem talento na alma. Continue lendo.” Fiquei perplexa: Malba Taham conversou comigo. Uma caravana passou perto de nós com camelos e cantis carregados de pérolas.

Sob o manto brocado daquela noite, repeti várias vezes: “Maktub! Maktub! Estava escrito”. Acreditei que escrever era meu destino, uma fatalidade.

(*) Raquel Naveira é escritora, doutora em língua e literatura francesas.

Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
A Ciência e o desenvolvimento: o óbvio que deve ser lembrado
Um país só se desenvolve se tiver ciência sólida que se transforme em tecnologia empregada pelo setor produtivo. Isso tem sido sobejamente demonstrad...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions