A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

15/07/2017 14:23

Dentro e fora da sala de aula: escrevemos nossa história

Por Susana Machado (*)

Sinto-me extremamente honrada por ter sido a primeira brasileira a ser premiada com a "Resolution Fellowship", na sede da Organização das Nações Unidas – ONU, em Nova Iorque (EUA). Participei do Social Venture Challenge, uma competição de múltiplas etapas, on-line e presenciais, para a seleção de projetos que representem iniciativas inovadoras e de impacto social, propostos por jovens universitários.

Fiquei muito feliz e vejo essa premiação como um incentivo para que nós, jovens, pratiquemos mais ações que mobilizem a comunidade a buscar soluções para os problemas que afetam o nosso país, mas que também não se restringem a ele. Meu projeto se destina a adolescentes de 13 a 17 anos, que estejam em situação de risco social, como os órfãos, e visa ao desenvolvimento do autoconhecimento e das habilidades necessárias para o mundo de hoje. Este projeto representa um esforço na direção de atender ao décimo Objetivo do Desenvolvimento Sustentável – reduzir a desigualdade dentro dos países e entre eles – proposto pela Agenda de 2030, da ONU.

Para retratar a minha trajetória e o meu preparo para enfrentar os desafios de implantar o meu empreendimento social "Write Your Future", ou "Escreva o seu Futuro" (em português), recordo-me do Ensino Médio no Colégio Pentágono e das oportunidades que vivi neste ambiente de aprendizado.

O Colégio Pentágono me ofereceu importantes estímulos para transformar a minha atitude de estudante que assiste às aulas para uma pessoa que gosta de responder a questões sobre o mundo e a vida. Tive professores questionadores, que plantaram a curiosidade em minha mente e a vontade de atuar no cenário político-social. Gosto de lembrar que nunca uma boa resposta era o final de uma pesquisa.

Adquiri muita bagagem nos dois anos que cursei o IFY – Internacional Foundation Year, um programa internacional de preparação para ingressar em universidades estrangeiras, que engloba desde habilidades de comunicação e estratégias de aprendizagem, até culturas. Tinha nove aulas de Inglês por semana, no período da manhã e da tarde, com professores nativos, o que foi essencial para o desembaraço com a língua.

O que me marcou, também, foram as oportunidades de debater os problemas atuais e tentar encontrar, por meio do diálogo e de negociações, soluções viáveis para os desafios latentes da nossa realidade. Comecei a perceber o impacto que as decisões tomadas, em nível local e global, tem no nosso dia-a-dia, direta e indiretamente. Assim, passei a cultivar um enorme sentimento e vontade de deixar minha contribuição para o mundo. Apenas no Ensino Médio, participei de oito Simulações das Nações Unidas e governamentais, como o Fórum FAAP, o Harvard Model Congress Latin America e o FEP – Fórum Estudantil do Pentágono. Além de menções honrosas, certificados e troféus, meu maior prêmio sempre foi tudo o que eu aprendi e as pessoas incríveis que tive a chance de conhecer, e das quais sou amiga até hoje.

Garra, constância, curiosidade e determinação. Essas são as palavras que me fazem recordar dos quatro anos no Colégio Pentágono. Unir as atividades extracurriculares ao currículo do Ensino Médio sempre foi um desafio e continua sendo até agora na Universidade Estadual Paulista (UNESP), em que curso o segundo ano de Relações Internacionais. Por isso, os professores que tive foram meus grandes exemplos e minha fonte de motivação. Mesmo cansados, nunca desanimavam e nem perdiam a vontade de ensinar, tirar dúvidas, conversar sobre outros assuntos. Isso só demonstra o encorajamento que tive para alcançar muito além do que o resultado que uma prova traria.

Como a escola faz isso?

Do meu ponto de vista, no dia a dia, por meio de professores capazes e com liberdade de pensar e falar, que trazem diversas opiniões e debates para a sala de aula. Além do suporte ao aluno para sempre buscar novos desafios, em diversas áreas que o interessem.

Existem lembranças impossíveis de ser colocadas no papel, mas a ideia que me vem à mente é que a escola é um ambiente especial que pode ampliar nossa visão de mundo, desenvolvendo nossas capacidades para encontrarmos o próprio caminho.

Sinto saudades desses anos e muita gratidão.

(*)Susana Machado, ex-aluna do Colégio Pentágono e estudante do curso de Relações Internacionais da Unesp de Franca.

ICMS e agrotóxicos: um exemplo de lucidez em meio ao caos
O amplo conjunto de ações impostas em 2019 por governantes brasileiros no sentido de fragilizar a proteção ao meio ambiente não tem paralelo na histó...
Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions