A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 21 de Outubro de 2019

25/01/2014 09:39

IPTU conforme a lei

Por Gabriel Ribeiro Tannus (*)

Os imóveis brasileiros passaram por uma vasta valorização nos últimos tempos. Segundo pesquisa realizada por bancos centrais de vários países, nos últimos 5 anos, o Brasil apareceu na primeira colocação do ranking. No entanto, isso tem um lado negativo para o bolso do cidadão brasileiro, pois a valorização dos imóveis, consequentemente, influenciou sobre valor venal do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU).

Todo início de ano passamos por esta complicada situação, na qual temos que pagar ao Munícipio um imposto de essência arrecadadora. O problema é que o Município de Campo Grande (MS) levou-se a risca a alta dos imóveis brasileiros e elevou exageradamente os preços do referido tributo. Este reajuste foi de 5,93% chegando em alguns casos a 400%.

Para entender como funciona o cálculo do IPTU, segue abaixo o que se leva em consideração para o cálculo do valor venal de um imóvel, quais sejam:

- o tamanho do terreno,

- a localização deste terreno na Planta Genérica de Valores,

- a sua área construída,

- a sua qualificação, ou seja, o tipo de acabamento desta construção.

Assim sendo, na análise dos fatores, chega-se a um valor que é multiplicado pela alíquota que é fixada ao critério de cada Munícipio.

Foram nestes dados que o secretário da Receita da capital, Disney Souza Fernandes, explicou a elevação do imposto, dizendo que o acréscimo foi justificado pela valorização de determinados imóveis em função da mudança do valor de mercado,‘’ isso naturalmente implica na valorização desse imóvel e essa valorização não tem limites", explica.

Por mais que sejam justificáveis os argumentos usados pelo Secretário, não foram convincentes, pois tal atualização pesou e muito para o bolso do cidadão, que infelizmente em alguns casos, seus salários acabaram não acompanhando o crescimento do tributo.

Senão vejamos, Supremo Tribunal Federal em 2010, por meio da ministra Carmen Lucia, relatora do Agravo de Instrumento n°715416, decidiu que é vedado ao Poder Executivo Municipal, por meio de Decreto, a atualização do valor venal dos imóveis, para fins de cálculo do IPTU, quando a correção monetária ultrapassa os índices oficiais de inflação, uma vez que a majoração do tributo depende de lei em sentido formal.

Posto isto, observamos que o IPTU fixado em 5,93%, realizado através de decreto pelo Poder Municipal, ultrapassou o índice anual acumulado da inflação de 2013 que resultou em 5,91%. Ou seja, se o aumento de poder de compra cresceu 5,91%, como que o IPTU pode subir mais? Não faz sentido e é totalmente ilegal.

Isto está claramente explicado na Lei Orgânica do Município de Campo Grande:

SEÇÃO III - DAS LIMITAÇÕES DO PODER DE TRIBUTAR

Art. 95 - Sem prejuízo de outras garantias assegurada ao contribuinte, é vedado ao Município:

I - exigir ou aumentar tributo sem lei que o estabeleça

Sendo assim, a majoração do preço do IPTU acima da inflação, através de decreto se tornou ilegal. Por mais que os imóveis realmente tenham sido valorizados e podendo o IPTU ser progressivo no tempo, conforme diz nossa Constituição de 1988 em seu art. 184, §§ 2° e 4°, de forma a assegurar a função social da propriedade, certificando que as alíquotas tornem-se maiores sobre os imóveis inutilizados ou subutilizados, estimulando assim o aproveitamento do solo urbano, o aumento acima da inflação terá que ser mediante lei.

Não necessitaria de julgamento algum do Poder Judiciário para que a nossa Prefeitura soubesse disso, deveria apenas analisar a lei do Município de Campo Grande para entender que para majorar impostos tem que ser feito através de lei e não de decreto.

Segundo fontes noticiarias, os vereadores Edil Albuquerque (PMDB) e Otávio Trad (PT do B), após uma reunião realizada juntamente com o secretário da receita, desistiram de entrar na justiça.

Desta forma, para solucionar o problema, o contribuinte deverá verificar se o valor cobrado pelo carnê de 2014 é maior que 5,93% em relação ao valor venal de seu imóvel. Se o resultado for positivo, poderá procurar via Administrativa ou o Poder Judiciário para solucionar o problema.

(*) Gabriel Ribeiro Tannus, acadêmico de direito na Universidade Católica Dom Bosco (UCDB) e estagiário no Chiesa Advogados Associados.

Antônio Baiano – Um Gigante
Roseli Marla, minha cunhada querida, neste momento de profunda tristeza que todos estamos vivendo com a morte prematura do nosso querido Antônio Baia...
Projeto de lei pretende punir quem ocultar bens no divórcio
Quem milita na área do Direito de Família está, infelizmente, mais do que acostumado a se deparar com inúmeros expedientes para fraudar o direito à m...
Internet, Vínculos e Felicidade
A cada dia estamos passando mais tempo em celulares e computadores. Tanto que muitas vezes, quando maratonamos seriados, até a televisão pergunta: "t...
Origem espiritual da Profecia
Em minha obra Os mortos não morrem, transcrevo estudos abalizados e relatos interessantíssimos sobre a realidade da vida após o fenômeno chamado mort...


No último ano da administração do Nelsinho meu IPTU subiu inexplicáveis 80% de uma vez só. Isso sem nenhuma obra no bairro, sem nada que justificasse.
 
Sergio Grião em 25/01/2014 12:59:17
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions