A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 25 de Junho de 2018

24/01/2012 15:30

Na luta por 1/3 de hora-atividade

Por Roberto Magno Botareli Cesar*

No dia 27 de abril de 2011 o STF (Supremo Tribunal Federal) julgou constitucional o § 4º do artigo 2º da Lei Federal nº 11.738/08, que assegura 1/3 da jornada de trabalho aos educadores da Rede Estadual de Ensino para o planejamento de aulas. Esta decisão do STF nega na íntegra a ADI 4.167 impetrada por cinco governadores, inclusive pelo Governador de Mato Grosso do Sul, André Puccinelli, solicitando a declaração de inconstitucionalidade a Lei do PSN (Piso Salarial Nacional).

Em Mato Grosso do Sul estamos na luta, realizando diversas ações para garantir o cumprimento da Lei Federal e assegurar o nosso direito, pois como educadores lutamos pela consolidação dessa conquista, que representa mais tempo para a preparação de aulas, atividades pedagógicas, correção e acompanhamento de alunos.

A diretoria da FETEMS foi informada, no dia 16 de janeiro, pela sua assessoria jurídica que a Federação havia vencido o mandado de segurança e garantido uma liminar para que o Governo do Estado cumprisse a aplicação de um 1/3 de hora-atividade, porém após o Executivo Estadual entrar com um recurso no tribunal de Justiça, o desembargador Claudionor Miguel Abss Duarte, revogou a liminar alegando que o Estado não está preparado e terá grande custo, uma vez que para conceder o direito aos educadores o Governo teria que contratar 4 mil convocados.

Para a FETEMS falta com a verdade quem diz que para cumprir a jornada de 33% será preciso contratar 4 mil novos professores. Nós, enquanto diretoria da Federação, fizemos um levantamento e constatamos que será preciso contratar apenas 1.500 professores. Este número é bem inferior aos 9 mil convocados, sem concurso público, que o próprio Governador admitiu ter na Secretária de Educação do Estado quando estivemos reunidos com ele debatendo a negociação salarial.

Outra indignação é dizer que o Estado não está preparado, desde abril de 2011 o poder Executivo Estadual já estava ciente de que sua ação (ADI 4.167) de inconstitucionalidade foi julgada improcedente no STF, portanto teve tempo suficiente para se organizar e cumprir a Lei, já que este é o juramento prestado por quem assume um cargo público. Nós não podemos pagar o preço pela desorganização do Governo do Estado.

Recentemente estivemos reunidos com a vice-governadora, Simone Tebet, que está como Governadora Interina até o final de janeiro, para entregar uma carta e solicitar que ela interceda junto com o Governador para que os educadores de MS tenham este direito garantido, pois quando prefeita em Três Lagoas, em 2009, implantou 1/3 de hora-atividade na Rede Municipal de Ensino, sem necessidade de nenhuma medida judicial, permitindo que o município fosse o primeiro em Mato Grosso do Sul a conceder este direito aos educadores.

Algumas prefeituras de Mato Grosso do Sul já vêm dando o exemplo. Além de Três Lagoas, Aquidauana, Ribas do Rio Pardo, Água Clara e Brasilândia os educadores contam com 1/3 da jornada de trabalho para se dedicar à preparação das aulas. Quem ganha com isso? Alunos, pais, profissionais da educação e toda a sociedade.

Atualmente praticamente todo o trabalho que fazemos de preparação de aula, elaboração de provas e de correção são realizados durantes as madrugadas e finais de semana, um professor que possui 40 horas aula tem em suas mãos de 400 a 500 alunos, então são cerca de 500 provas, trabalhos, notas para lançar e é impossível cuidar de tudo isso durante o expediente de trabalho. A realidade que temos são profissionais estressados, doentes e que não possuem nem tempo para investir na sua capacitação continuada.

Defendemos a valorização profissional de quem tanto se dedica diariamente para formar os filhos dos trabalhadores sul-mato-grossenses, muitas vezes sem condição de infraestrutura física e de materiais pedagógicos. Sabemos que com 1/3 de hora-atividade teremos menos casos de professores adoentados, de licença médica, vamos ter mais tempo para preparar aulas, corrigir provas, trabalhos e nos capacitar, por isso consideramos este direito um salto na qualidade da educação pública de Mato Grosso do Sul e do Brasil.

Portanto iremos continuar na luta e se o Governo de Mato Grosso do Sul e o Judiciário Estadual não concederem o nosso direito, vamos recorrer ao STF e não teremos problemas nenhum em nos mobilizar e sair às ruas, pois esta é uma bandeira que deve ser abraçada por todos aqueles que defendem uma escola pública mais humana, justa, de qualidade e igualitária.

Para nós, enquanto FETEMS, priorizar a educação é priorizar nossas crianças, jovens e nosso futuro enquanto Estado que trabalha pelo crescimento e pela qualidade de vida de seu povo. Está mais do que na hora do Governo do Estado dar o exemplo de quem, à frente de Mato Grosso do Sul, diz que a educação é prioridade para o desenvolvimento.

(*) Roberto Magno Botareli Cesar é presidente da FETEMS

A corda arrebenta para todos
Ao pensar na África, geralmente formamos imagens com exuberância de recursos naturais. Falta de água nos remeteria aos desertos daquele continente, e...
Os três pilares do aprendizado
A educação brasileira passa por um profundo processo de transformação com a implantação da nova Base Nacional Comum Curricular. Precisamos estar pron...
O país onde tudo é obrigatório
Nos Estados Unidos, na França e na Inglaterra, as regras ou são obedecidas ou não existem, por que nessas sociedades a lei não é feita para explorar ...
Universidade pública e fundos de investimento
  A universidade pública não é gratuita, mas mantida pelos recursos dos cidadãos. E por que a Constituição brasileira escolheu determinar esse tipo d...


Devemos começar a se mobilizar frente a essa atitude tomada pelo governo, adiando o que por lei já conquistamos. Nesta hora , é indispensável a participação de todos e se necessário vamos as ruas sim....!!!!!!!!
 
Valfrido Leite Rolim em 24/01/2012 05:41:23
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions