A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

04/12/2012 08:43

O leão de sete cabeças

Por Guido Bilharinho (*)

Exilado de um país e de um subcontinente, nos quais, de tempos em tempos, seus nacionais mais lúcidos, patriotas e decididos, são perseguidos, torturados e mortos, Gláuber Rocha (Vitória da Conquista/BA, 1938-1981), depois de no Brasil pensá-lo e transfigurá-lo em arte, lança-se no panorama internacional.
Sua primeira realização nesse período, O Leão de Sete Cabeças (Dar Leone à Sept Têtes, Itália, 1970), elege o continente africano como matéria e forma de sua inserção no mundo. Não o faz, porém, linear e convencionalmente como é usual no cinema. Ao invés do espetáculo da exploração de suas riquezas e domínio de seus povos, Gláuber os estigmatiza na eleição de estereótipos elaborados a partir da concreta faticidade.
A realidade africana, nucleada e bipolarizada entre exploração externa e contexto interno formado pelas condições locais e consequências da atuação predatória das nações desenvolvidas, é filmicamente constituída por mosaicos fragmentados unidos pelo fio narrativo que a expõe, compondo condensado painel situacional.
Os principais lances desse cenário perfazem-se um a um em instantâneos que o vão engendrando e revelando, desenvolvendo e urdindo, construindo e desconstruindo. Nada, no entanto, que não se saiba da exploração internacional da região, mas, no caso, apresentada de maneira contundente e mesmo raivosa.
As linhas narrativas tecem-se em torno da atuação de pequeno grupo de representantes e mercenários imperiais e do papel de dois líderes locais.
Se no cômputo final do filme evidencia-se sua nervura ficcional, o decorrer dos desdobramentos factuais estabelece-se por meio de blocos que se seguem e se sobrepõem.
A articulação entre as partes não se processa linearmente e nem as personagens intervêm e se relacionam convencionalmente, mas, simbólica e sinteticamente, traduzindo cada cena corte transversal na realidade, ora concreto, ora alusivo, sempre, porém, denunciador.
Por vezes, manifestam-se justificativas e explicações por meio de discursos de personagens.
Sucedem-se, assim, diálogos, intervenções pessoais, manifestações diversas, danças, músicas, passeatas, paradas militares, agressões, reuniões, envolvimento e cooptação de dirigentes locais deslumbrados por alçados a pretensas altas funções, torturas, personagens simbólicas como o “profeta”, a loura Marlene e lideranças africanas autênticas.
O leão de muitas cabeças é explorado, caçado e submetido, mas, não vencido e anulado. A sequência final de grupo de guerrilheiros armados internando-se na região ao som de canção libertária, de vigorosa beleza imagética, é emblemática, além de óbvia em seu significado e mensagem.
A maneira elisiva de Gláuber construir cinematograficamente visão do quadro africano não esconde, ao contrário, explicita sua atormentada insatisfação com a problemática continental. Se não atinge grau elevado de criatividade, também não abdica de construção autoral de sua configuração imagética.
Constitui, a bem dizer, ficção operativa aplicada à conjuntura temporal e espacialmente vinculada à análise de seus traços e trâmites procedimentais, ocasionadores de posicionamento subordinativo, adjetivo, objetal e residual no contexto de ordem/desordem planetária desequilibrada, desigual e injusta.
O pragmatismo imoral de se aceitar as coisas tais como são e transcorrem é escarmentado pela própria ocorrência e propósito fílmico, jazendo implícita, mas, evidente, sua condenação, que não se limita a reconstruir o contexto, porém, nele intervindo e fatiando-o para melhor atuar em seu interior.

(do livro Seis Cineastas Brasileiros, editado pelo Instituto Triangulino de Cultura em 2012-www.institutotriangulino.wordpress.com)

(*)Guido Bilharinho é advogado atuante em Uberaba e editor da revista internacional de poesia Dimensão de 1980 a 2000, sendo ainda autor de livros de literatura, cinema e história regional e nacional

ICMS e agrotóxicos: um exemplo de lucidez em meio ao caos
O amplo conjunto de ações impostas em 2019 por governantes brasileiros no sentido de fragilizar a proteção ao meio ambiente não tem paralelo na histó...
Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions