A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 19 de Outubro de 2018

18/05/2017 14:49

Papai Noel não existe!

Por Paulo Cabral (*)

O vazamento da delação dos donos do JBS, guarnecida com robusto conjunto probatório, envolvendo Michel Temer, Aécio Neves, Guido Mantega e sabe-se lá quem mais, além de abalar severamente a República, tornando insustentável a permanência do presidente, põe a nu o quão entranhada está a corrupção no aparelho de estado brasileiro e na prática política dos detentores do poder.

Os tentáculos da Lava-Jato, que examina só um pedacinho dela, relativo à Petrobrás, parece não intimidá-los; os mal feitos foram flagrados no último mês de abril, quando a Operação, em seus três anos de existência, encontra-se em sua quadragésima fase, e eles nem aí.

A corrupção é supra-partidária, transita por todos os espectros religiosos e ideológicos, é comum aos dois gêneros, espraia-se pelos três poderes, atinge municípios, estados, união, bem como empresas. Por mais que se tente eliminá-la, resiste e permanece espalhando o mal. A convicção da impunidade é renitente e os corruptos (ativos e passivos) zombam dos cidadãos.

O texto do presidente do PSDB, na gravação revelada, conforme pontuou o insuspeito Merval Pereira, comentarista chapa branca da Globo News, é próprio de mafiosos. Eduardo Cunha, apesar de preso, prossegue atuando, em seu melhor estilo; chantagem é com ele mesmo. A Chicago dos anos 20, quando Al Capone, o mais popular gangster americano, reinava absoluto, é nada diante do que se vive hoje. Aliás, a técnica da “operação controlada”, utilizada para chegar aos “tubarões”, foi desenvolvida pela Polícia Federal com o objetivo de combater o tráfico de drogas. Traficantes e políticos no mesmo balaio. A que ponto se chegou!

A gravidade da conjuntura política nacional é indiscutível. Nas bolsas de Nova York e Tóquio os papéis brasileiros despencaram em média 10%, na noite do anúncio, revelando o impacto da bomba política sobre o “deus mercado” e, provavelmente, o quadro deva piorar. Muitos dos “ratos” que até aqui se locupletavam do poder, já anunciam ou se movimentam para deixar o barco, afinal, conduta muito coerente nesse pântano de fisiologismo.

Como será o “after day” ninguém arrisca especular. O Planalto blefa, tentando aparentar normalidade. Dá uma de Maria Antonieta que, às vésperas da Tomada da Bastilha, com o povo faminto a protestar nas ruas de Paris, teria dito “se não há pão, comam brioches”. Independentemente das manobras que estejam sendo urdidas para se salvar os dedos, o futuro imediato é preocupante, pois, a luz no fim do túnel parece distante. O mais dramático é a profunda crise de liderança em que nos encontramos, e não venham dizer que João Dória reúne condições. Ele, como no passado Collor, é fruto de marketing político.

Nesse vácuo, florescem viçosos os discursos salvacionistas. A direita mais radical conta com Bolsonaro 18. Menos espalhafatoso, mas tão direita quanto, Ronaldo Caiado ensaia aparições. Lula, a depender do desfecho judicial, estará no páreo, já que conserva razoável densidade eleitoral; Alckmin, da mesma forma, apesar da criatura por ele criada pretender voo próprio. Ciro Gomes e Marina Silva apenas coadjuvantes. Com isso, os militares são lembrados como a grande possibilidade para salvar a pátria (livre ou não).

Há de se lembrar, porém, que José Sarney, o imperador do Maranhão e Paulo Maluf, na mira da Interpol, foram líderes sustentados pela ditadura militar; que o rombo da previdência, tão decantado, tem sua origem quando Jarbas Passarinho, Ministro da Previdência, em 1967, unificou os Institutos de Aposentadoria e Pensão – IAPs, criando o INPS, (ele também foi padrinho político de Eurides Brito, aquela deputada distrital filmada colocando a propina na bolsa).

E Mário Andreazza, Ministro dos Transportes que, ao deixar o governo, era dono de inúmeras jazidas no Amapá? E a primeira dama Yolanda Costa e Silva, que teria desviado dinheiro da Legião Brasileira de Assistência, obrigando o governo a afastá-la do comando e transformar o órgão em uma fundação? Quanto custaram a ponte Rio-Niterói e a Transamazônica, obras símbolo dos projetos faraônicos que permitiam a malversação dos dinheiros públicos, sem que se pudesse denunciar, porque a censura à imprensa impedia?

Acreditar que os militares sejam a salvação é, no mínimo, ingênuo ou equivocado. Papai-noel não existe! Não há soluções mágicas; é preciso lucidez e coragem para enfrentar esse mar de lama e defender a Democracia!

(*) Paulo Cabral é sociólogo

Esquerda ou direita?
Desde que o homem se viu em pé e olhou para o lado, vive em constante conflito, em luta permanente pela mulher e pelo território. A história da human...
Médicos-veterinários e zootecnistas comprometidos com transparência e inovação
Vivemos tempos decisivos. Momento de escolher quem irá nos representar pelos próximos anos. No mês em que o processo democrático fervilha no país, mé...
Qualidade para antever o futuro da indústria
A qualidade na indústria acompanha as constantes mudanças disruptivas, orquestradas pelos avanços das tecnologias e inovações que movem o mercado. Ca...
Nobel sinaliza sobre fragilidade da economia frente às variáveis ambientais
Dois americanos foram os vencedores do Prêmio Nobel de Economia este ano. Ambos escolhidos por seus estudos estarem relacionados com interações entre...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions