A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 15 de Novembro de 2018

21/09/2015 13:30

STF moraliza a política

Por Gabriel Bocorny Guidotti (*)

Na semana passada, o Supremo Tribunal Federal (STF) fez o que o clamor popular ansiava: declarou inconstitucionais as doações de empresas às campanhas eleitorais dos políticos. A decisão – já válida para 2016 – nega a candidatos e partidos a ‘benevolência’ financeiras das pessoas jurídicas. A partir de agora, os financiamentos de campanha só poderão ser feitos por meio de contribuições de pessoas físicas e com recursos provenientes do fundo partidário.

A ação no Supremo foi impetrada pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), que, ao arrepio de um dividido Congresso Nacional, comemorou a decisão. A ministra do STF, Rosa Weber, resumiu bem a participação dos grandes empresários na política. “É de rigor, pois, a meu juízo, concluir que a influência do poder econômico culmina por transformar o processo eleitoral em jogo de político de cartas marcadas”, declarou.

O próximo passo será saber o que a presidente Dilma Rousseff fará com a ‘reforma política’ aprovada pelo Congresso. A Câmara acolheu um texto que permitia as doações privadas. O Senado vetou essa possibilidade. Dependendo de como o projeto chegar à petista, creio que ela deverá levar em contar o traumático caso de corrupção na Petrobras. Concordar com o apoio privado é fechar os olhos ao escândalo que ainda ameaça seu mandato.

Esse tipo de ‘ajuda de custo’ dos empresários, a realidade mostrou, segrega o poder em favor dos mais ricos. Entretanto, não se podem desafiar os potenciais funestos das pessoas que lidam com a política no Brasil. A corrupção ganha novas formas, novas possibilidades de ação. A partir de agora, os corruptos vão buscar gargalos para não perder a fonte que provém do poder público. Trata-se de um sólido mercado que não vai parar.

Não sei como a situação estará em dez anos, mas, no momento, o Brasil merece a decisão tomada pelo STF. Os empresários e políticos se tornaram ambiciosos ao ponto de ameaçar a credibilidade da democracia. O que vale um voto quando nossos representantes estão previamente comprometidos? Não vale nada. Após tantos escândalos, o país busca curar as feridas da corrupção. Afastar as pessoas – inescrupulosas – jurídicas é um bom começo.

(*) Gabriel Bocorny Guidotti, bacharel em Direito e estudante de Jornalismo

Triste boa notícia
A leitura é um dos maiores prazeres da vida. Mergulhar fundo no mar de palavras de belezas naturais, que ficam maravilhosas quando juntadas com maest...
Fim do Ministério do Trabalho: avanço ou supressão de direitos?
Numa eleição marcada por antagonismos e forte polarização, todo ato do presidente eleito tem sido motivo de fortes críticas, com especial endosso e e...
Brasil — Vocação para o progresso
Nas comemorações dos 129 anos da Proclamação da República, reflitamos sobre o papel do Brasil no contexto mundial, que é também o de iluminar as cons...
Eu sou eu e...
A busca de orientação para nortear nossas vidas nos proporciona caminhos os mais variados. Na medida em que essa busca se realiza por meios que se ba...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions