A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 17 de Agosto de 2019

21/01/2019 12:56

Temas para Davos

Por Benedicto Ismael Camargo Dutra (*)

Os ciclos econômicos são uma criação dos homens que controlam o capital ao promoverem injeção de dinheiro para colher ganhos, acelerando artificialmente a atividade econômica e a valorização dos ativos para decair logo por falta de sustentação. Como tudo na natureza, a economia devia seguir o ritmo natural, mas por cobiça surgiram os mecanismos astutos que forjaram a concentração da riqueza na mão da minoria com mentalidade especulativa.

Mais dinheiro acarreta mais inflação. Se o dinheiro é recolhido, a inflação perde fôlego. A fonte de criação da moeda tem sido os Estados e o crescimento desordenado de suas dívidas. Se elas crescem muito, vem a austeridade que estanca o fluxo monetário, como ocorre no Brasil. A economia saiu da naturalidade, ou caminha como uma locomotiva desembestada, ou segue devagar quase parando, mas deveria seguir um ritmo natural de crescimento constante, acompanhando o aumento da população.

A instabilidade vem de longe. Os reis se afastaram das leis naturais e perderam o trono. Vieram o Estado Republicano, mais apropriado para o capitalismo de livre mercado, e o comunismo, fadado ao fracasso pela supressão da liberdade. O sistema descambou com a concentração da riqueza e as ações corruptas dos homens nos poderes executivo, legislativo e judiciário. A China inovou com o capitalismo de Estado produzindo manufaturas para exportar. A ordem internacional perdeu a sustentação devido às alterações econômicas com a tendência de nova crise de recessão severa cujos efeitos são imprevisíveis.

O mundo está adentrando numa perigosa guerra comercial que resulta da ausência de equilíbrio nas transações entre os povos. Os países se tornaram altamente devedores sem que isso contribuísse para a melhora efetiva das condições gerais de vida. A riqueza financeira, oriunda dos grandes recursos naturais do planeta, ficou concentrada em poucas mãos enquanto a miséria se expandiu. O essencial é que haja equilíbrio nas contas internas e externas, e ensejo ao aprimoramento da espécie humana, temas prioritários para autoridades e empresários debaterem no Fórum Econômico Mundial 2019, em Davos.

No Brasil, o dinheiro ficou mais escasso ainda. Os índices confundem. Os feiticeiros no poder iludiram a população com a mágica de baratear os importados praticando taxas de juros elevadas e deu nessa congestão financeira como foi previsto pelos entendidos. Mesmo assim, foi preciso chegar ao fundo do poço, com muita coisa destruída, para iniciar a guinada.

O grande drama da política é a negociação de cargos, sendo os mais cobiçados aqueles que envolvem mais dinheiro, poder e projeção, e, justamente, para assegurar a reeleição, não para prestar um efetivo trabalho de utilidade pública. Assim, tudo caminhará para o declínio enquanto a dívida pública vai crescendo, para em seguida surgirem as brutais austeridades que jogam as cidades para as traças. Fala-se que há um grupo poderoso que, para acabar com isso, visa a globalização do poder com partido único: o deles.

O regime de partido único tem muita semelhança com a monarquia, uma vez que a pessoa no comando é plenipotenciária para decidir e determinar; a diferença é que o partido estabelece regras que poderão derrubar o líder para colocar outro em seu lugar, enquanto que o rei tem cargo vitalício e ainda pode transferi-lo ao herdeiro do trono.

O ser humano recebeu o planeta pronto, sem que tivesse de acrescentar nada, apenas zelar, conservar e desfrutar. O consenso deve ser: zelar pelas cidades e proteger as florestas. Precisamos de água potável, preservação dos mananciais, preservar e ampliar as áreas verdes nas cidades, cuidar da qualidade do ar, disciplinar o uso do diesel, cuidar do lixo e esgoto transformando-os em energia, eliminando o despejo nos rios. O clima está sendo alterado de fato e pode ser que isso esteja sendo aproveitado para conspirações; mas negar e nada fazer seria como se esconder do problema real.

O açambarcamento dos recursos naturais tem sido usual pelo mundo, concentrando a riqueza e esparramando a miséria. O Capitão Bolsonaro foi eleito para que o Brasil não se tornasse outra Venezuela, mas ele precisará pôr ordem na casa, equilibrar as contas internas e externas, evitar a ação dos corruptos, e fazer o que todo governante deve fazer: promover o aprimoramento da espécie humana e a melhora das condições gerais de vida.

(*) Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. 

Juntas podemos combater o câncer de mama
O câncer de mama não é uma doença simples: pode ser influenciado por uma série de características e fatores individuais, apresentando-se de diferente...
A reimplantação dos cassinos no Brasil
Há setenta e três anos, no dia 30 de abril de 1946, o presidente do país, general Eurico Gaspar Dutra, assinava o Decreto Lei nº. 9215 restaurando o ...
Smartphones, aplicativos, registros, leite e exportação
A nova legislação do leite, publicada no final de 2018 e vigente, tem uma formatação que exige diversos controles e monitoramentos, desde o campo. Es...
Muito pouco, muito tarde
Finalmente, o Banco Central do Brasil se rendeu à realidade do gravíssimo quadro de estagnação da atividade econômica vigente no país e decidiu reduz...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions