A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 24 de Setembro de 2017

11/04/2014 09:23

UFMS: insensatez ou insensibilidade?

Por Heitor Freire (*)

A classe artística da nossa capital, notadamente a classe teatral luta com uma série de obstáculos, dificuldades, tendo que vencer a cada dia um leão, e no dia seguinte um elefante, e assim por diante. A luta insana por espaço, por financiamento, com participação do poder público municipal e estadual, muito aquém do necessário.

Eu conheço bem essa situação, pois sou pai da Andréa Freire, atriz teatral, co-fundadora do Grupo Sobrevento no Rio de Janeiro, e quando este começou a despontar no cenário artístico nacional, ela decidiu, por ideal, desligar-se do grupo e mudou-se para a nossa cidade, para aqui iniciar um projeto voltado ao desenvolvimento das atividades teatrais em todo o estado.

Aqui começou com o Centro de Arte Viva, com o professor Evandro Higa e com a professora Clarice Maciel, onde criou, produziu e encenou algumas peças de teatro, começando com O Menino que Não Sabia Sonhar. Logo depois, com muita criatividade apresentou o Mágico de Oz, a premiada Formiguinha e a Neve e a Família Adams, entre outras.

Depois já com produção independente interpretou com Sidy Corrêa, A Chave e a Fechadura, do italiano Dario Fo, encenando nas ruas, nas praças, nas escolas. Tendo como palco a carroceria de um caminhão. Andréa apresentou sob a sua direção O Homem Que Casou com Mulher Braba, baseada na peça A Megera Domada de Shakespeare. Assim foi criando uma escola de teatro, incentivando atores, dando aulas de interpretação e de direção.

Com a peça Um Conto de Hoffmann, baseado na ópera do mesmo nome, com o Grupo Sobrevento, inaugurou o Teatro Aracy Balabanian. Fez história também quando da revitalização do Armazém Cultural, como espaço alternativo para o teatro, encenando Dorotéia, de Nelson Rodrigues, que teve a presença e o aplauso de Nelson Rodrigues Filho.

Como profissional autêntica e consciente, ombreou-se com o seu marido Belchior Cabral, e sob a liderança do então presidente da Fundação Municipal de Cultura, Athayde Nery, participou ativamente da campanha pelo Plano Municipal de Cultura, que desaguou depois na conquista do 1% para cultura, campanha cívica que mobilizou toda a classe artística em todas as modalidades de atuação. Foi uma conquista maiúscula.

Participou da criação e da implantação do Festival de Inverno de Bonito e depois do Festival da América do Sul. Criou o Pontão de Cultura Guaikuru juntamente com seu marido, Belchior, com realizações significativas como o projeto Ava Marandu – Os Guarani Convidam, valorização da cultura e direitos humanos desses povos.

Fez a produção local do Sesi Bonecos do Brasil e do Mundo e do Festival Internacional do Teatro de Objetos em todas as suas encenações em nossa capital. E continua atuante e presente nas manifestações artísticas locais.

Agora, Andréa está fazendo a produção na região Centro-Oeste do espetáculo de sombras A Cortina da Babá, também do Grupo Sobrevento – com entrada gratuita e patrocínio da Petrobras e do Ministério da Cultura –, com apresentação em quatro cidades: Nova Veneza, em Goiás, em Campo Grande e Ponta Porã em nosso estado e em Rondonópolis no nosso eterno Mato Grosso.

Enfim, ela não para.

O Teatro Glauce Rocha, concebido e construído valorizar a universidade federal como um local de manifestações artísticas dentro do âmbito teatral, parece que não consegue sensibilizar a alta direção da reitoria que reiteradamente tem colocado óbices para sua utilização. A reclamação é constante por parte dos produtores culturais de nossa cidade.
Agora nesta encenação de A Cortina da Babá, no Teatro Glauce Rocha, Andréa se deparou com mais um obstáculo: a reitoria da UFMS determinou o fechamento do acesso ao Teatro Glauce Rocha pela entrada principal da universidade, que, naturalmente é o trajeto utilizado pelo público. Com o acesso interditado sem nenhuma alegação, e pior, sem indicação de roteiro para se chegar até o teatro, essa atitude da reitoria dificultou a presença de parte significativa dos espectadores. Todo o trabalho de divulgação quase que vai por terra.

Só pode ser insensatez ou insensibilidade de alguém da reitoria cuja atitude manifesta o desinteresse pela universidade como fomentador cultura na cidade. Qual é a contribuição que a universidade, como centro catalisador da nossa intelligentsia tem dado à comunidade em nosso estado? Se alguém souber, me avise. Eu não conheço.

(*) Heitor Freire, corretor de imóveis e advogado.

Às vezes, temos de magoar alguém para salvar a nós mesmos
Poderemos ter que romper com um parceiro que ainda nos ame, que dizer não a alguém muito querido, que ser antipáticos, pois sempre haverá a necessida...
Por que participar do Comitê dos Usuários de Serviços de Telecomunicação
Desde a polêmica das franquias de dados na Internet fixa, a Agência Nacional de Telecomunicações vive uma crise de imagem e de legitimidade. Na época...
A Guerra de 100 anos: poupadores vs bancos
Há 680 anos, a Europa ocidental testemunhava o início de uma de suas mais longas guerras. A versão mais conhecida entre historiadores é de que o conj...
As deformações sobre o conteúdo (ataques e defesas) da reforma trabalhista
Recentemente li uma matéria no Jornal Valor Econômico, de 11 de setembro de 2017, que me deixou muito intrigado. Na verdade, perplexo. Com argumentaç...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions