ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, QUINTA  23    CAMPO GRANDE 31º

Cidades

Após 6 meses de prisão, Ronaldinho e irmão deixam o Paraguai

Nessa segunda-feira (24), o juiz Gustavo Amarilla autorizou a saída dos irmãos do país vizinho

Por Anahi Zurutuza | 25/08/2020 14:31
Momento em que avião parte para o Brasil (Foto: ABC Color)
Momento em que avião parte para o Brasil (Foto: ABC Color)

O ex-jogador de futebol Ronaldinho Gaúcho e o irmão, Roberto de Assis, deixaram o Paraguai no início da tarde desta terça-feira (25). Eles foram presos preventivamente por quase seis meses por supostamente usarem documentos falsos para entrar no país vizinho.

De acordo a Globo News, Ronaldinho e o irmão deixaram hotel luxuoso no centro histórico da capital Assunção em carro que esperava na porta e partiram rumo ao Aeroporto Internacional Silvio Pettirossi, de onde decolaram para o Brasil em voo fretado com destino ao Rio de Janeiro (RJ).

Nessa segunda-feira (24), o juiz Gustavo Amarilla autorizou a saída dos irmãos do Paraguai, mediante pagamento de US$ 200 mil em multa, cerca de R$ 1 milhão.

A audiência de ontem foi realizada depois que o Ministério Público concluir as investigações sem provar que os irmãos estariam envolvidos com lavagem de dinheiro e também a produção de documentos falsos. O processo deve ser arquivado.

O juiz também informou que o ex-jogador deverá informar a Justiça paraguaia quando viajar para fora do Brasil.

Ronaldinho e o irmãos Assis estavam detidos desde março depois de entrarem no país vizinho com passaportes e documentos adulterados. Outras três pessoas também haviam sido presas na oportunidade.

Segundo o promotor Federico Delfino, existia um processo de naturalização aberto para os dois no Paraguai. O esquema também envolveria um funcionário público.

A Justiça determinou a prisão preventiva dos irmãos alegando risco de fuga. Em abril, a Justiça concedeu prisão domiciliar para ambos. Eles pagaram fiança US$ 1,6 milhão. Desde então, os dois estavam hospedados em hotel de Assunção e proibidos de deixar o país.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário