ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, QUINTA  13    CAMPO GRANDE 23º

Cidades

Em MS, apenas 17 médicos receitam canabidiol

São 15 especialidades que usam o ativo oficialmente no Estado

Por Kamila Alcântara | 18/05/2024 09:18
Óleo à base de cannabis medicinal distribuído pela Divina Flor (Foto: Everson Tavares)
Óleo à base de cannabis medicinal distribuído pela Divina Flor (Foto: Everson Tavares)

Pesquisas científicas já mostraram que o uso de canabidiol pode ser eficaz para diferentes tratamentos de saúde, principalmente, nas patologias que envolvem o sistema nervoso ou dores. Porém, na lista de profissionais divulgada pela Associação Sul-Mato-Grossense de Pesquisa e Apoio a Cannabis Medicinal, a Divina Flor, aparecem apenas 17 médicos que assumidamente prescrevem a fórmula no Estado, além de outros 30 espalhados pelo país.

Um dos relacionados é Ismael Neves, que trabalha na área de saúde mental e nutrição, e atende em Dourados, a 251 km de Campo Grande. Na avaliação dele, ainda há resistência dos médicos em prescrever canabidiol aos pacientes.

“Há uma certa resistência pelos profissionais e também percebo o que contribui para esse fato é que na maioria das faculdades, que formam profissionais médicos, pouquíssimo se é abordado na formação sobre a cannabis medicinal e seus possíveis benefícios para tratamentos na saúde”, acredita Ismael.

Desde 2022, a resolução n° 3.893, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) autorizou o uso de produto medicinal à base de Cannabis a ser fabricado no Brasil. Mas quem recebe a receita tem de recorrer a poucos locais credenciados, com a Divina Flor em Mato Grosso do Sul, uma das autorizadas a fazer a comercialização, inclusive com acolhimento de pessoas em situação de vulnerabilidade que precisa do medicamento.

Mesmo a passos lentos, o médico diz que aos poucos o medicamento vai ser colocado nas opções de tratamentos, pois existe procura. As pessoas que buscam o óleo de Cannabis já estudaram seus benefícios e têm o apoio da família, argumenta.

“Em alguns casos acontece questões relacionadas à resistência ao uso do canabidiol como um tratamento para a saúde do paciente,  porém nunca cheguei a ouvir de paciente que é ‘coisa de maconheiro’. Quando existe resistência, normalmente a pessoa ou familiar não se sente confortável com o uso da substância por suas crenças particulares. E cabe a nós profissionais trazer a orientação necessária para o paciente se sentir confortável com o uso do canabidiol”, destaca o médico.

Ismael Neves termina pontuando que a substância tem propriedades que promovem a neurogênese, que seria a formação de novos neurônios, e a neuroplasticidade cerebral, que é a habilidade do cérebro de se remodelar e reorganizar. Com isso, auxilia os pacientes que buscam o tratamento das doenças como Alzheimer, Parkinson e Demência.

Os médicos que defendem o uso do canabidiol recomendam para diminuição das dores, principalmente nos quadros crônicos e em doenças que causam incômodos, como tendinites,  câncer, fibromialgia, artrite reumatoide, lúpus e dentre outras doenças autoimunes.

É importante lembrar: nenhum paciente fuma a planta em um cigarro. A substância é extraída do caule da folha da cannabis sativa, em formato de óleo e não causa dependência química, assim como não tem efeitos colaterais.

Óleo de THC usado pelo Ramiro (Foto: arquivo pessoal)
Óleo de THC usado pelo Ramiro (Foto: arquivo pessoal)

Associado - O assistente social Ramiro Palicer, de 40 anos, é um dos associados à Divina Flor. Ele passou por vários médicos para tentar acabar com as dores crônicas que sofria na coluna e, antes de se submeter a uma cirurgia, resolveu experimentar o óleo de cannabis.

"Passei pelo médico especialista, com o laudo do problema que eu tinha e receita, e depois passei pela equipe da Divina Flor. Após o processo de cadastramento, fiz uso do óleo de tetra-hidrocarbinol, o THC, e foi como tirar a dor com a mão! Eu tentei de tudo, mas só isso resolveu o meu problema e trouxe uma vida normal", disse Ramiro.

Ele e todos os outros associados pagam uma taxa mensal para Associação, mais o valor do produto, que é entregue na casa do paciente. Mesmo com a autorização da Anvisa, ele teme que o acesso ao medicamento seja apenas por caminhos judiciais.

"Nossa sociedade luta pela proibição, por puro preconceito, mas quem recorre a cannabis já passou por diversos tratamentos e não teve resultado. Tem muitas pessoas que são preconceituosas e que, no final, esse preconceito é rompido quando se conhece os resultados", termina o assistente social.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias