ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, DOMINGO  01    CAMPO GRANDE 16º

Cidades

Estado vai discutir inclusão de restaurantes como serviços essenciais na segunda

Abrasel pede que se faça um ajuste na classificação de serviços essenciais e não essenciais

Por Lucia Morel | 12/06/2021 12:40
Bar na avenida Afonso Pena. (Foto: Henrique Kawaminami/Arquivo)
Bar na avenida Afonso Pena. (Foto: Henrique Kawaminami/Arquivo)

A pedido da Abrasel MS (Associação de Bares e Restaurantes de Mato Grosso do Sul), o Governo do Estado pretende se reunir na segunda-feira para avaliar a inclusão desses estabelecimentos como serviços essenciais.

O secretário estadual de saúde, Geraldo Resende, informou que o momento agora é de pensar em medidas de contenção à covid-19, mas que tem atendido as demandas que surgem, como a de bares e restaurantes.

O presidente da Abrasel MS, Juliano Wertheimer, informou que o pedido é que se faça um ajuste na classificação de serviços essenciais e não essenciais, permitindo que restaurantes possam atender presencialmente durante a bandeira cinza. Isso, até às 20 horas, conforme toque de recolher previsto nessa classificação.

“Nós trabalhamos com alimentos, com produtos perecíveis, então desde sempre temos cuidados com a biossegurança. Com a pandemia, essas regras triplicaram e temos cumprido as medidas, feito a nossa parte”, sustentou.

Para ele, o Governo do Estado terá sensibilidade. “Nosso setor foi o mais afetado pela crise, estamos no limite, muitos não estão conseguindo sequer pagar as contas, não aguentaremos mais ser sacrificados com as medidas de restrições e acreditamos que o Governo entende isso. Estamos confiantes”.

Resende sustentou que vai deliberar com a equipe do Prosseguir (Programa de Saúde e Segurança na Economia) apenas na segunda-feira sobre o pedido da Abrasel. “É um pedido legítimo e vamos deliberar, assim como faremos se surgirem mais demandas”, comentou.

A mudança solicitada na lista de atividades do Prosseguir pela associação é retirar os itens 2.2 e 3.3 (bares e restaurantes), deixando os mesmos enquadrados no item 1.35 (comércio de produtos de saúde, higiene e alimentos, para seres humanos e animais, e de bebidas não alcoólicas).

Abrasel e Acicg (Associação Comercial e Industrial de Campo Grande) acionaram a Justiça ontem contra o decreto que restringe atividades no Estado.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário