ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, DOMINGO  07    CAMPO GRANDE 28º

Cidades

Governo de MS encaminha pedido de compra de 1,7 milhão de doses da Coronavac

Intenção de compra é "plano B", caso ministério não organize estratégia até janeiro; doses são suficientes para 850 mil pessoas

Por Silvia Frias | 29/12/2020 11:09
Coronavac, produzida em parceira pelo Instituto Butantan e laboratório chinês Sinovac (Foto: Instituto Butantan)
Coronavac, produzida em parceira pelo Instituto Butantan e laboratório chinês Sinovac (Foto: Instituto Butantan)

O governo do Estado encaminhou ao Instituto Butantan protocolo de intenção para compra de 1,7 milhão de doses da vacina Coronavac, produzida pelo em parceira com o laboratório Sinovac. Este é o “plano B” caso o Ministério da Saúde não apresente projeto para vacinação contra a covid-19.

As doses seriam suficientes para imunizar 850 mil pessoas, já que é feita em duas etapas. A vacinação começaria no início de fevereiro, a partir dos grupos prioritários e profissionais da saúde, mas esse cronograma, com as faixas etárias não foi divulgado.

A expectativa inicial é que o governo federal compre a vacina contra covid-19 de acordo com o PNI (Programa Nacional de Vacinação), via SUS. Caso não tenha nada concreto até o fim de janeiro, o “plano B” entra em ação, com vacinação a partir de fevereiro. A compra já teria recurso garantido, cerca de R$ 100 milhões.

Segundo Resende, há logística preparada para levar as doses de vacina para que a campanha seja iniciada em todos os municípios do Estado. O transporte será feito com base em plano executado pelas secretarias estaduais de Justiça e Segurança Pública e de Saúde.

Intenção - O mesmo protocolo já havia sido encaminhado pelo prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad, com perspectiva de comprar 200 mil doses da Coronavac. No planejamento, a imunização começa por idosos acima de 60 anos, exceto os que já tiveram covid-19 e profissionais da área de saúde. O cronograma seria iniciar a campanha a partir de 25 de janeiro, a mesma data adotada pelo governo de São Paulo.

Nos siga no Google Notícias