ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, TERÇA  16    CAMPO GRANDE 24º

Cidades

Após dois meses, clínica recebe novo lote de vacinas e tem fila na porta

Clientes da Vaccini formaram fila na calçada da clínica para se imunizarem

Anahi Zurutuza | 30/06/2016 16:21
Anúncio da chegada da vacina provocou 'corrida' à clínica (Foto: Alcides Neto)
Anúncio da chegada da vacina provocou 'corrida' à clínica (Foto: Alcides Neto)

Depois de quase dois meses sem oferecerem a vacina contra a gripe, algumas das clínicas particulares de Campo Grande voltaram a vender e aplicar as doses. A injeção que protege contra os vírus tipo A e B chega a custar mais de R$ 150.

Em março, o maior valor da vacina encontrado em pesquisa feita pela reportagem do Campo Grande News era R$ 110.

A Vaccini recebeu nesta quinta-feira (30) doses da vacina trivalente – que protege contra os vírus H1N1, H3N2 e um subtipo de influenza B. O anúncio da chegada provocou corrida à clínica e pessoas formaram fila na calçada para se imunizarem. As injeções custam R$ 130.

Dulcinéia Muzili, do departamento comercial da Vaccini, diz que a estimativa é que o estoque dure no máximo até a próxima segunda-feira (4).

Já a Prophylaxis tem previsão de receber um lote da vacina na segunda-feira à tarde. As doses trivalentes – que imunizam contra os vírus H1N1, H3N2 e um subtipo de influenza B – custavam R$ 150 no início de maio, mas o valor provavelmente será reajustado, uma vez que o estabelecimento terá de repassar os custos da importação.

O médico pediatra e sócio-proprietário da clínica, Henrique Elvis Holsbach da Costa, explica que os laboratórios que fabricavam a vacina para a rede privada pararam de vender a doses por conta da demanda inesperada neste ano. “Conseguimos este lote com a Novartis, que teve recentemente licença da Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária] para importar a vacina para o Brasil”.

O estoque de vacinas da Imunitá também teve fim no início de maio. A clínica, porém, não vai mais receber doses neste ano, segundo funcionários, porque os três laboratórios fornecedores do estabelecimento pararam de fabricar.

Notificações e mortes – Depois que a gripe A fez 11 vítimas por duas semanas consecutivas, desta vez, no período entre 21 e 28 de junho, foi o vírus tipo B que matou duas pessoas em Mato Grosso do Sul, conforme boletim epidemiológico divulgado pela SES (Secretaria de Estado de Saúde) na tarde desta quarta-feira (29). Os óbitos foram registrados em Corumbá e Jardim – respectivamente a 417 km e 223 km de Campo Grande.

Com os últimos registros, o total de mortes por gripe no Estado chega a 67 neste ano. São 63 pela gripe A H1N1, uma pelo vírus A não subtipado e três pela gripe B, segundo as informações da SES.

Até terça-feira (28), 1.166 casos de gripe haviam sido notificados no Estado. Foram 124 novos diagnósticos em uma semana.

Nos siga no Google Notícias