ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, SÁBADO  13    CAMPO GRANDE 

Cidades

Após prisões, PF investigará tráfico de drogas por troca de bebês em MS

Graziela Rezende | 20/11/2013 10:45
Manicure confessou o sequestro. Foto: Marcos Ermínio
Manicure confessou o sequestro. Foto: Marcos Ermínio

Um dia após a prisão da manicure Renata Silva de Jesus, 33 anos e Robison dos Santos Rossimaister, 22 anos, envolvidos no sequestro de um bebê, em Campo Grande, a Polícia continua com as buscas para prender outros 3 suspeitos. Por outro lado, uma cópia do inquérito será encaminhada à Polícia Federal, já que as investigações apontam para o “tráfico internacional de drogas por troca de criança”, segundo o delegado Paulo Sérgio Lauretto, responsável pelas investigações.

“Já temos a identificação do marido da Renata, que se trata do Carlos dos Santos, 25 anos, vulgo Dedinho. Ele continua foragido, bem como os dois bolivianos que teriam vindo para cometer o crime. Queremos prendê-lo o mais rápido possível, para confirmar a versão. E vamos comunicar a Polícia Federal sobre o fato, já que pode se tratar de um crime a nível internacional”, diz o delegado.

A participação dos supostos bolivianos chegou ao conhecimento da Polícia com o depoimento da Renata. Ela negou ter “arquitetado” o sequestro, passando a responsabilidade para o pai da criança. Este último estaria devendo R$ 4 mil aos traficantes, sendo que a dívida seria paga com a criança.

Renata, como havia perdido um bebê há dez dias, negociou a compra do bebê. “Inicialmente eles vão responder por sequestro e cárcere privado, com o agravante por se tratar de um recém nascido. No entanto, com o caminhar das averiguações, estamos constatando a possibilidade deles responderem também pelo tráfico de pessoas”, comenta o delegado.

Sequestro – A menina de nome Nicole foi sequestrada por quatro pessoas na noite de sábado (16), na rua 10, bairro Dom Antônio Barbosa. O crime, segundo a Polícia, ocorreu 10 horas após a mãe ter alta médica.

No dia 13 de novembro, o bebê nasceu. No outro dia, testemunhas constataram a presença de um “veículo estranho” rondando a rua 10, onde reside a adolescente. No sábado, às 11h, ela foi liberada e, conforme a Polícia, ainda não havia registrado a menina porque precisava ir ao Juizado da Infância e Juventude.

Nos siga no Google Notícias