ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MARÇO, SEXTA  01    CAMPO GRANDE 30º

Capital

Agentes visitarão 375 casas por dia em mutirão contra Aedes aegypti

Bairro tem o maior índice de infestação conforme o LIRAa

Yarima Mecchi e Marcus Moura | 18/01/2017 11:07
Agentes de saúde estão percorrendo ruas do bairro. (Foto: Alcides Neto)
Agentes de saúde estão percorrendo ruas do bairro. (Foto: Alcides Neto)

O mutirão de combate ao mosquito Aedes aegypti - transmissor da dengue, zika e chikungunya - deve visitar 375 imóveis no Jardim Noroeste por dia. A ação que começou nesta quarta-feira (18) será realizada durante 15 dias e cada um dos 15 agentes, que compõem a equipe, tem a missão de visitar pelo menos 25 casas por dia, segundo o supervisor dos agendes de endemias Edson Ito.

De acordo com a Prefeitura de Campo Grande, o LIRAa (Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes aegypti), realizado pelo CCEV (Centro de Controle de Endemias e Vetores), no período de 9 a 13 de janeiro, os bairros com índice mais alto são Jardim Noroeste e Chácara dos Poderes com infestação de 6,7, considerado muito alto, e os bairros Moreninhas e Cidade Morena, o índice é de 4,4, também considerado alto.

Segundo Ito, os locais onde são encontrados focos do mosquito o proprietário é notificado e orientado. "Depois os dados vão para o levantamento que vai para o LIRAa". Ele informou que são feitos três tipos de classificações, sendo o Focado - onde são encontrado focos do Aedes,
Fechados - onde não conseguem fazer e Inspecionados - onde não tem foco do mosquito.


As equipes são compostas por 20 pessoas do Proinc (Programa de Inclusão Profissional), ligado a Funsat (Fundação Social do Trabalho de Campo Grande), que fazem o serviço manual de recolher o lixo e eliminar focos do Aedes, além de 15 agentes de endemias que fazem inspeção e orientação.


A dona de casa Edis Lemes, de 59 anos, disse que ela e as filha já tiveram dengue e o maior problema do bairro é o lixo jogado na rua. Ela cuida de um neto com necessidades especiais e evita ter plantas em vasos.


"Eu prefiro plantão no chão, para não ter o potinho acumulando água. Tem muito lixo na rua, algumas pessoas pagam o preço pela irresponsabilidade de outras", declarou.


A comerciantes Adriana Nunes, de 30 anos, tem mercado no bairro há 8 anos e ressaltou que toma cuidado para não deixar água acumulada. "Tenho medo de ficar doente e por isso o mercado é todo coberto. Inclusive o estoque, para evitar acumular água".

Nos siga no Google Notícias