A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

04/04/2016 17:34

Além da "lei da mordaça", escolas enfrentam restrição ao "Pai Nosso"

Bianca Bianchi
Secretária de Educação do Município, Leila Cardoso Machado, encaminhou o assunto para a Promotoria da Infância e Juventude (Foto: Natalia Yahn)Secretária de Educação do Município, Leila Cardoso Machado, encaminhou o assunto para a Promotoria da Infância e Juventude (Foto: Natalia Yahn)

Além da "lei da mordaça", que restringe professores a abordarem questões de gênero e até políticas nas escolas públicas e particulares de Campo Grande, outra polêmica tem sido protagonista no ambiente escolar. É que o MPE (Ministério Público Estadual) recomendou a suspensão da realização da oração do "Pai Nosso", normalmente feita antes do início das aulas da rede municipal.

A recomendação do MPE à Semed (Secretaria Municipal de Educação) proíbe "qualquer manifestação de cunho religioso" nas salas de aula das escolas municipais de Campo Grande, alegando "ofensa à liberdade religiosa". O documento é de abril de 2015, elaborado pela promotora Jaceguara Dantas da Silva, então titular da 67ª Promotoria de Justiça de Direitos Humanos, depois de uma reclamação sigilosa sobre a situação na escola municipal Professor Hércules Maymone.

O secretário municipal de educação à época, Wilson do Prado, se comprometeu a comunicar todas as unidades escolares sobre a decisão, o que, segundo a coordenadora de um CEINF (Centro de Educação Infantil) da Capital, que não quis ser identificada, nunca aconteceu.

"Nem todas as escolas rezam o pai nosso, varia muito de acordo com a diretora, mas tem muita professora e recreadora que faz sem nem a diretora saber. De qualquer forma, nunca chegou pra gente nenhum e-mail ou circular, nada de comunicado oficial", contou.

Recentemente, o assunto veio à tona de novo quando o Promotor Luciano Furtado Loubet reiterou pedido de informações a respeito do cumprimento ou não da recomendação, depois que um professor reclamou que as orações continuavam acontecendo.

Loubet esclerece que a recomendação tem dois fundamentos: pela Constituição Federal o estado é laico, ou seja, um estado que não tem religião, e o segundo é pela liberdade de religião.

"Esse é um tema sensível, mas é de fácil resolução, se comparado a problemas de falta estrutura escolar, de merenda, e etc. Se o pai ou a mãe faz questão que o filho reze o pai nosso antes da aula, é só o pai rezar com o filho antes de sair de casa. Não precisa terceirizar essa função", comentou.

A Secretária de Educação do Município, Leila Cardoso Machado, afirma que a Semed é contra a recomendação e que levou o assunto até a 27ª Promotoria de Infância e Juventude.

"A criança tem que ter valores, porque estamos formando cidadãos. Estamos partindo do pressuposto que o estado é laico, ninguém é obrigado a nada, mas têm crianças que sentem falta e pedem que seja feito", afirmou a secretária.

A reportagem do Campo Grande News tentou entrar em contato com o promotor Sérgio Harfouche da Infância e Juventude, mas não obteve retorno.

Lei da mordaça - De autoria do vereador Paulo Siufi (PMDB), o projeto de Lei 8.242/16 foi aprovado na Câmara Municipal de Campo Grande na quinta-feira (31) com apenas dois votos contrários. O texto proíbe, entre outras coisas, o Poder Público a promover nas escolas, atividades de orientação sexual dos alunos, principalmente no que se refere a conteúdos relacionados a ideologia de gêneros.

Ele traz um anexo com "deveres dos professores" em que, por exemplo, restringe a atuação dos docentes em assuntos relacionados a políticas ou ideologias nas unidades de ensino. Impõe regras também na abordagens de temas relacionadas às áreas sócio-culturais e econômicas, ressaltando que o tratamento deve ser feito de "forma justa".

 



BRASIL um país LAICO não deve ensinar religiões nas escolas, a menos que todos tenham os mesmos direitos, e todas as religiões tenham os mesmos espaços , parabéns ao MINISTÉRIO PUBLICO;
MAS SE FOR PRA ENSINAR QUE SEJA SÓ A MINHA !!!!!!
 
Antonio Gomes Rocha em 05/04/2016 09:45:54
Uma coisa não tem nada a ver com a outra. A lei da mordaça determina a fixação de cartazes nas salas de aulas das instituições públicas impedindo o professor de ensinar, debater e promover o senso crítico dos alunos referente as questões sociopolíticas e de gênero. um absurdo, pois nós professores já nos mobilizamos e a lei será vetada pelo prefeito. Em relação a restrição do Pai Nosso, é corretíssimo, pois fere a constituição brasileira, o Estado é laico. Determinar um tipo de oração consequentemente desfavorece a minoria. Creio que toda pessoa com um mínimo de conhecimento sabe disso, se não, vamos estudar.
 
Luiz Henrique Valverde em 05/04/2016 09:40:37
Na minha infância eu tive uma professora que rezava o Pai Nosso e a Ave Maria todos os dias na sala de aula, e eu não participava das orações (por ter um segmento religioso diferente do dela) e por isso fui colocado pra fora da sala de aula por varias vezes.

Ela achava uma afronta eu não participar de uma oração "universal" mas não se importou em afrontar a minha fé (mesmo com 7 anos) e nem se preocupou em me expor ao ridículo pois eu era o único que era posto do lado de fora da sala de aula.

Acredito que o assunto deve ser tratado mas como opção, a obrigatoriedade é que gera a incerteza do sucesso de tais leis.
 
Eric Dutra em 05/04/2016 09:36:23
O MEP deveria cuidar de coisas muito mais muito mais importante, como foi dito rezar ou não o pai nosso é só uma questão de consenso e bom senso.
Quanto a lei da mordaça é um absurdo, do jeito que esta daqui um tempo o estado vai dizer o que e como devemos agir dentro de nossas casas.
Alias já começou com a lei da palmada.
 
dulcineia matos em 05/04/2016 08:59:49
EU PARTICULAMENTE APROVO ESSA LEI POIS NINGUÉM É OBRIGADO OUVIR HINO EVANGÉLICO TODA MANHÃ EM ESCOLA PÚBLICA. O PROFESSOR ESTA ALI PARA ENSINAR E NÃO FUNDIR SUAS IDÉIAS E IDEAIS SEM APROVAÇÃO DE TODOS.... PARABÉNS , BRASIL MUDANDO JÁ....
 
claudio henrique dos santos silva em 04/04/2016 19:07:04
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions