A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

28/04/2014 16:32

Bloqueio de bens paga rombo de R$ 30 milhões deixado pela Homex, diz CPI

Zana Zaidan
CPI da Homex foi concluída e relatório que aponta responsabilidades é lido pelos vereadores CPI da Homex foi concluída e relatório que aponta responsabilidades é lido pelos vereadores

O bloqueio imediato dos bens da construtora Homex será suficiente para por ao fim ao calote que a mexicana deu em fornecedores, trabalhadores e mutuários de Campo Grande. O parecer é do vereador Carlos Augusto Borges, o Carlão (PSB), que relatou a CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) cujo relatório que apontas os responsáveis é lido hoje (28). na Câmara de Vereadores

Conforme o vereador, a dívida da empresa na Capital chega a R$ 30 milhões, considerados juros e correções, e abrange empresas e trabalhadores contratados para execução das obras, os próprios mutuários que adquiriram apartamentos que não foram entregues. Somente com a prefeitura, a dívida apurada é de R$ 4 milhões, já que a Homex não cumpriu as contrapartidas contratuais para se instalar na cidade, como a construção de uma escola e uma creche no bairro. 

Ao mesmo tempo, a Homex possui terrenos no bairro Paulo Coelho Machado, adquiridos para construção dos imóveis, que também são avaliados em torno de R$ 30 milhões. Como a empresa não construiu todas as unidades habitacionais prometidas, os terrenos podem servir como garantia do pagamento da dívida.

 

 

Apartamentos no Paulo Coelho não foram entregues e  empresas tomaram calote (Foto: Arquivo)Apartamentos no Paulo Coelho não foram entregues e empresas tomaram calote (Foto: Arquivo)

“A Homex ocupou 25% dos terrenos adquiridos. Com a valorização da região, hoje chegam a valer R$ 30 milhões e se esses bens forem seqüestrados, vai garantir o pagamento dos credores”, aponta o relator da CPI como solução.

Outro pedido, este direcionado à Caixa Econômica Federal, é o bloqueio do repasse de valores dos financiamentos feitos pelos compradores dos imóveis vendidos e não entregues.

As solicitações foram apontadas no relatório como “de urgência” e “imprescindíveis para garantir às vítimas parte do que têm direito”. O documento com as medidas será encaminhado aos Ministérios Público Estadual, Federal e do Trabalho, Polícia Federal e Caixa Econômica.

O relatório é lido na Câmara de Vereadores pelo relator, junto com os vereadores Alceu Bueno (PSL), presidente da CPI, e os demais integrantes, Ayrton Araujo (PT), Otávio Trad (PT do B) e Edson Shimabukuro (PTB).

Concluída a leitura, os parlamentares votam aprovando, ou não, o relatório do relator.



Puxa vida, falar que a construtora deve 4 milhões à prefeitura por conta de promessa feita de construção disso e daquilo é o mesmo que falar que o Bernal me deve tanto por ele ter prometido isso e aquilo antes do voto, vamos falar das dividas verdadeiras, de quem entregou material ou serviço e não recebeu, de quem realmente perdeu alguma coisa, promessa não é divida, se for assim tem meio mundo de politico me devendo, não vamos misturar dividas de pessoas que trabalharam, perderam tempo e mercadoria, pagaram pessoas para ajudar; com a promessa da empresa para a prefeitura, por favo, os vereadores prometeram que pagariam aluguel da camara, tá tudo pago?
 
maximiliano rodrigo antonio nahas em 28/04/2014 17:02:38
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions