A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

19/02/2015 15:16

Cabo da PM é preso após bater carro, fugir e ameaçar família com 2 armas

Polícia Militar abriu procedimento para apurar o caso do policial que também estava embriagado

Renan Nucci

A Polícia Militar de Mato Grosso do Sul abriu sindicância para apurar a conduta de um cabo de 41 anos, preso em flagrante no último domingo (15) após se envolver em um acidente de trânsito, fugir do local, dirigir embriagado e efetuar disparo de arma de fogo. Ele usou duas armas de fogo para ameaçar uma família após  a discussão no trânsito.

De acordo com a assessoria de imprensa da entidade, o autor vai responder por seus atos tanto na esfera criminal, quanto na administrativa. Ele encontra-se recolhido no Presídio Militar instalado nas dependências da Penitenciária de Segurança Máxima da Capital.

Segundo boletim de ocorrências registrado na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) da Vila Piratininga, a prisão ocorreu por volta das 22h de domingo. O cabo se envolveu em uma batida na Avenida Gunter Hans, no semáforo que fica em frente ao Terminal Aero Rancho.

Confusão - Por razões que ainda estão sendo apuradas, o Renault Logan do militar colidiu na lateral de outro automóvel que sofreu diversas avarias. Após o choque ele fugiu do local, mas foi perseguido e abordado, não muito longe, no cruzamento da Rua Aicá com a Avenida Marechal Deodoro. Os dois envolvidos iniciaram uma conversa para tentar resolver a situação, quando o PM se alterou.

Ele disse que trabalhava em Ponta Porã, deu o número de telefone e pediu para ser procurado depois de três dias. “Pode acionar a Justiça, pode chamar até a Dilma (presidente da República) que nada vai resolver”, teria dito na ocasião. A proposta foi prontamente recusada pela vítima que, conforme o boletim de ocorrências, dialogava educadamente enquanto fotografava o Logan e registrava o número das placas.

O policial, então, se enfureceu e afirmou que buscaria duas “crianças” que estavam no porta-malas. Ele retirou duas armas de fogo, apontou contra a vítima que estava acompanhada de quatro adultos e três crianças no veículo, efetuando único disparo de advertência para o alto. Com medo, a vítima correu para o carro, engatou marcha ré e fugiu rapidamente.

A Polícia Civil foi acionada e conseguiu encontrar o autor no cruzamento da Rua Dinamarca com a Cabo Verde, no Jardim Bastistão. O cabo portava uma pistola calibre .40 que pertence à Sejusp (Secretaria Estadual de Justiça e Segurança Pública) e um revólver 38 de propriedade particular. Ele foi submetido ao teste de alcoolemia que comprovou a embriaguez.

Diante do exposto, vai responder pelos crimes de disparo de arma de fogo, já que uma cápsula de pistola deflagrada foi apreendida, conduzir veículo embriagado, ameaça, evasão do local de acidente de trânsito e porte ilegal de arma de fogo de uso permitido, pois o 38 que ele usava pertencia a uma terceira pessoa e estava com a documentação vencida.

Bope e Centro de Ensino e Formação da Polícia Militar anunciam novo comando
As trocas de comandos do (CEF) Centro de Ensino e Formação da Polícia Militar de Mato Grosso do Sul e do Batalhão de Operações Especiais da PM (Bope)...
Polícia Militar convoca candidatos a cabos e sargentos para exames de saúde
Candidatos a cabos e sargentos, são convocados para realizar exames de saúde no mês de fevereiro. O edital foi publicado no (DOE) Diário Oficial do E...


Caso não saibam Policial não precisar guardar suas armas em uma reserva igual ao quartel do exército até porque ele é policial 24h. Casos de procedimentos ou erros ocorrem em qualquer profissão ou não existe erro médico, piloto, engenheiro ou qualquer outra profissão? Muita hipocrisia, não defendendo mas apenas que se cumpra o que prevê as leis que seja julgado é penalizado. Mas não é motivo para achincalhar toda uma coorporação por um procedimento errado de um membro desta instituição
 
Paulo em 20/02/2015 11:15:23
A atitude do policial vai e deve ser averiguada. A pistola é do Estado e deve estar devidamente acautelada ao policial, para uso constante. A reportagem citou algo que acontece em todas as polícias. O policial possui arma da corporação sob sua cautela e não a devolve ao final do expediente o que seria uma excrecência. Permanece com ela o tempo inteiro. Além disso pode ter arma(s) pessoal(is) devidamente registrada(s) adquirida(s) com seu dinheiro.
 
Adriano em 20/02/2015 10:46:39
Ué e a pistola calibre .40 que pertence à Sejusp??? Os funcionários (Militares) levam a arma para casa quando termina o expediente?? ou o cabo estava de serviço e embriagado???? historinha mal contada.
 
Alex André de Souza em 19/02/2015 16:16:42
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions