ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, SEGUNDA  26    CAMPO GRANDE 26º

Capital

Carnaval terá 300 mil camisinhas, mas folião terá que ir atrás para receber

Paula Vitorino | 16/02/2012 12:08
Secretário Leando Mazina mostrou como funciona o display para retirar camisinhas. (Foto: Paula Vitorino)
Secretário Leando Mazina mostrou como funciona o display para retirar camisinhas. (Foto: Paula Vitorino)

Ao som da bateria de escola de samba, a Secretaria de Saúde de Campo Grande lançou hoje a campanha contra DST/Aids, com o tema “Nosso carnaval é divertido e protegido”.

Foram disponibilizadas 300 mil camisinhas pelo Ministério da Saúde, mas neste ano a distribuição será diferente: os foliões terão de ir atrás da proteção.

Serão distribuídos 233 displays de camisinhas por locais com grande concentração de foliões da Capital, como bares, clubes e nos carnavais da Praça do Papa e Fernando Corrêa da Costa.

O mecanismo funciona como um “pegue-fácil”, já que o folião só precisa puxar a camisinha do display e não existe quantidade limite. Com isso, só irá pegar a camisinha quem quiser e no momento em que se sentir a vontade.

A mudança de estratégia na distribuição dos preservativos tem o objetivo de evitar constrangimentos e falsas interpretações por parte dos foliões. A gerente técnica do programa de DST/Aids, Virna Liza, explica que antes os preservativos eram entregues na mão dos foliões, mas muitos sentiam-se ofendidos com a abordagem.

“A sociedade mesmo é que nos disse que aquela não era a melhor estratégia. Às vezes íamos entregar e a pessoa achava ruim porque estava com o marido ou com os filhos, principalmente se fossem menores de idade”, explica.

Além dos preservativos, a secretária irá distribuir 3.700 “bolsinhas”, que devem servir como porta-camisinha e para guardar os documentos pessoais. “Assim o folião pode pular com as mãos livre e ficar mais a vontade”, diz.

De acordo com o secretário de saúde, Leandro Mazina, foram investidos cerca de R$ 100 mil na campanha de Carnaval da Capital, além da parceria com o Ministério da Saúde, que disponibilizou as camisinhas.

Prevenção - A secretária de saúde ressalta que a distribuição gratuita de camisinhas acontece não só no Carnaval, mas durante todo o ano, nas unidades de saúde da Capital.

“No Carnaval as ações de preservação são intensificadas porque é um período de 5 dias de festa, onde as pessoas abusam na bebida e até a própria música estimula a sexualidade”, diz.

Desde 1984 foram registrados 3.358 casos de Aids em Campo Grande, sendo que 1.249 morreram, de acordo com dados da Sesau de dezembro de 2011. O teste de HIV pode ser feito em qualquer unidade de saúde, gratuitamente e com sigilo.

Nos siga no Google Notícias